Home»S-Atualidade»Voluntariado depois dos 40 anos com benefícios comprovados

Voluntariado depois dos 40 anos com benefícios comprovados

A 5 de dezembro assinala-se o Dia Internacional do Voluntariado. Um estudo realizado no Reino Unido sugere que há efetivamente uma associação positiva entre o voluntariado e a boa saúde mental e o bem-estar emocional, que se torna mais evidente por volta dos 40 anos e continua com o avançar da idade.

Pinterest Google+
PUB

Fazer voluntariado depois dos 40 anos de idade pode ter benefícios para a saúde mental e para o bem-estar, de acordo com um estudo realizado por um grupo de investigadores da Universidade de Southampton e da Universidade de Birmingham, ambas no Reino Unido. Os resultados apontam para a necessidade de maiores esforços para possibilitar a envolvência de pessoas de meia-idade e idosos em atividades de voluntariado.

 

Os investigadores analisaram mais de 66 mil respostas de adultos britânicos a perguntas feitas pela ‘British Household Panel Survey’. A pesquisa original, que decorreu entre 1991 e 2008, fez uma série de perguntas sobre atividades de lazer, incluindo a extensão do voluntariado formal. Incluiu, também, um indicador que indicou a saúde mental e emocional, conhecido como GHQ-12. Cerca de 21% dos entrevistados disseram ter realizado algum tipo de atividade formal de voluntariado. As mulheres, em geral, tendem a oferecer-se mais para este tipo de tarefas do que os homens.

 

VEJA TAMBÉM: VOLUNTARIADO: «FOI A BULGÁRIA QUE ME ESCOLHEU»

 

O estudo concluiu que há efetivamente uma associação positiva entre o voluntariado e a boa saúde mental e o bem-estar emocional que se torna mais evidente por volta dos 40 anos e continua com o avançar da idade.

 

Aqueles que nunca tinham feito qualquer tipo de voluntariado apresentaram níveis mais baixos de bem-estar emocional, a partir da meia-idade até à velhice, em comparação com aqueles que já fizeram voluntariado.

 

VEJA TAMBÉM: DEZ MANDAMENTOS DIÁRIOS PARA TER UMA VIDA FELIZ

 

«O voluntariado pode dar um propósito à vida, especialmente àquelas pessoas que perderam os seus rendimentos, porque o voluntariado ajuda a regular e contribui para a manutenção das redes sociais, algo muito importante no caso das pessoas idosas que muitas vezes vivem em isolamento», elucida Faiza Tabassum, um dos investigadores, em comunicado.

 

Os resultados mantiveram-se iguais mesmo após a consideração de uma série de fatores potencialmente influentes, incluindo o estado civil, nível de escolaridade e classe social. No entanto, o grupo de investigação não conseguiu avaliar a extensão do voluntariado informal, como ajudar os vizinhos, ou seja, não pode captar o espectro completo da atividade de voluntariado.

Artigo anterior

Carta de Einstein sobre Deus vai ser leiloada hoje

Próximo artigo

Quer um vestido da Carolina Patrocínio ou uma gravata do Manuel Luis Goucha? Vá ao Amoreiras no sábado