Home»LAZER»DICAS & VIAGENS»Vizela: uma viagem desde a época romana às iguarias da atualidade

Vizela: uma viagem desde a época romana às iguarias da atualidade

A cidade foi em tempos conhecida como ‘Rainha das Termas’, tal era a fama dos benefícios das suas águas. Agora, como uma ave que renasce das cinzas, esta pequena cidade minhota está a apostar na revitalização do turismo no concelho. Para além das termas, a gastronomia e o turismo religioso são pontos fortes para atração de turistas.

Pinterest Google+
PUB

A cidade de Vizela está localizada a 50 Km do Porto, 33 km de Braga e a apenas 10 km de Guimarães, naquele que é chamado de Vale de Vizela. Deve o seu nome a um pequeno pássaro, a avicella, nome latino que significa pequena ave e que abundava por altura dos romanos nestas terras do agora norte de Portugal. Veja algumas imagens na galeria acia.

 

Vizela foi em tempos conhecida por ‘Rainha das Termas’, tal era a fama dos benefícios das suas águas que aqui atraíam gentes de todo o país. Mas tal foi-se perdendo com o tempo. Agora, como uma ave que renasce das cinzas, esta pequena cidade minhota está a apostar na revitalização do turismo no concelho, que por algumas décadas foi esquecido, nomeadamente através da promoção das suas renovadas termas; da gastronomia, pela divulgação do bolo Bolinhol e do prato oficial, Bacalhau à Zé do Pipo; e também na captação de turismo religioso através do Santuário São Bento das Peras, que do alto do monte abraça esta antiga cidade.

 

VEJA TAMBÉM: VIAGEM AO NEOLÍTICO: JÁ CONHECE O CROMELEQUE DOS ALMENDRES?

 

O que visitar

A prática do termalismo remonta ao tempo dos romanos, mas as atuais instalações datam de 1892. O balneário tem uma arquitetura riquíssima que caracteriza a sua época, sendo aliás um dos maiores do país. E o que fez fama nestas águas foram as suas características, ou seja, são águas hipertermias, fracamente mineralizadas, sulfúreas, sódicas e fluoretadas. Têm assim como principais indicações terapêuticas o tratamento de reumatismos crónicos, afeções neurológicas e traumáticas, doenças crónicas das vias respiratórias e ainda doenças de pele.

 

Hoje as Termas de Vizela estão dotadas de equipamento devidamente adequado às necessidades atuais, com uma imagem moderna e sem comprometer o seu caráter histórico. O bem-estar é também tido em conta, existindo um spa para massagens e tratamentos relaxantes. A piscina com vários tipos de jatos, os vários tipos de banhos e as massagens cobertas com lamas fazem as delícias de quem adora um bom tratamento de spa.

 

Bem perto das instalações, o antigo Parque das Termas ocupa 7,5 hectares do centro de Vizela e é outro ponto a visitar. Construído em 1886, para quem ali se vinha tratar, alberga algumas árvores centenárias. Este espaço natural é propício à prática de várias atividades ao ar livre. Se passar por aqui, observe bem a altura de algumas sequoias, que levam mais de 100 metros de altura. E não é para menos… algumas têm mais de 150 anos e já viram muita história por aqui passar.

 

Em Vizela também merece grande destaque o Santuário de S. Bento de Peras. Bem lá do alto do monte, a abraçar o Vale de Vizela, junto a este santuário existem duas capelas, uma do século XVI e outra de 1970, dois miradouros para apreciar a vista sobre o vale, um parque de merendas, uma Cista Romana e um costume antigo representado pela cor branca com que são pintados diversos rochedos na encosta junto ao Santuário. Mas não é só aqui que se prega o catolicismo. Também nas diferentes freguesias de Vizela existem diversas edificações religiosas antigas que vale a pena conhecer.

 

Descemos de regresso ao centro da cidade. A Praça da República alberga alguns marcos incontornáveis de Vizela. A Bica Quente é, como o próprio nome indica, uma fonte de água quente localizada no espaço onde surgiram os primeiros vestígios da ocupação romana, ao descobrirem-se, em 1787, as antigas termas construídas pelos romanos. Existe uma lenda associada a este local que diz que quem molhar o dedo na bica ficará para sempre prisioneiro na cidade Vizela.  Vai arriscar?

 

Também aqui merece referência o Coreto, onde toca a filarmónica da cidade, e que tem as sete igrejas da freguesia pintadas em azulejo. A estátua da Vizela Romana, também neste Jardim Manuel Faria na Praça da República, está lá para recordar o quão antiga é esta cidade. A estátua antiga faz vizinhança com a modernidade, nomeadamente com uma escultura que homenageia o Bolinhol, o bolo típico da cidade criado em 1880 por Joaquina Pedrosa da Silva.  A suave cobertura branca de açúcar sobre a massa levemente húmida confere-lhe um sabor inigualável.

 

E já que entrámos no mundo da gastronomia, nos muitos restaurantes de Vizela os visitantes podem desfrutar de refeições da cozinha típica portuguesa, com destaque para o bacalhau à Zé do Pipo, o prato oficial de Vizela. Os vinhos produzidos no concelho de Vizela são hoje também uma referência, nomeadamente os verdes. Os diferentes produtores têm arrecadado vários prémios a nível nacional e internacional, com vinhos que dignificam a região do Vinho Verde.

 

Em Vizela, a autenticidade está presente no património, material e imaterial, na cultura, caraterizada por tradição e modernidade, nos diversos espaços de lazer, onde os elementos naturais se destacam. Entre muitos outros locais, sugere-se ainda a visita ao Padrão do Tratado de Tagilde, monumento evocativo da mais antiga aliança militar existente no mundo. Foi celebrado entre o rei português D. Fernando e o Duque de Lencastre a 10 de julho de 1372. Este acordo constituiu o primeiro fundamento jurídico do futuro tratado de aliança Luso-Britânica, que ainda hoje perdura.

 

Merecem também uma visita a Ponte Romana, classificada como Monumento Nacional, e a Marginal Ribeirinha, onde a diversidade da flora se cruza com atividades desportivas e de lazer.  Dependendo da altura que visitar Vizela, há diversos eventos que se realizam ao longo de todo o ano, como a Feira do Bolinhol em março, as Festas da Cidade em agosto ou a Festa da Juventude em setembro.

 

 

Artigo anterior

Creme de espinafres e ervilhas com sementes

Próximo artigo

Como responder aos desafios da longevidade no mercado de trabalho