Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Vinhos biológicos têm mais qualidade

Vinhos biológicos têm mais qualidade

O estudo analisou mais de 30 variedades de uvas, incluindo Cabernet Sauvignon, Chenin Blanc, Merlot, Pinot Noir, Sangiovese, Semillon e Zinfandel. Os resultados do estudo indicam que a adoção da ecocertificação do vinho tem um efeito significativo e positivo na classificação dos vinhos.

Pinterest Google+
PUB

Os vinhos biológicos têm mais qualidade do que os seus homólogos não orgânicos, segundo uma investigação realizada pela Universidade da Califórnia, EUA.

Os vinhos em análise obtiveram uma média de 4,1 pontos a mais do que os convencionais.

 

Foram exploradas as críticas de especialistas de mais de 74 mil vinhos que apareceram nas três melhores revistas de classificação de vinhos do mundo.

 

Veja também: Três copos de vinho, amigos e um fotógrafo – eis o resultado

 

Os académicos especulam que a adoção de práticas orgânicas, como a não utilização de pesticidas, permite o desenvolvimento de micróbios no solo, o que aumenta o sabor das uvas e dá uma representação mais verdadeira do ambiente natural da videira.

 

Por acréscimo, o cultivo de uvas sem fertilizantes reduz o rendimento, o que pode melhorar a qualidade, uma vez que a videira precisa de amadurecer uma menor quantidade de fruta, tornando o sumo mais concentrado e saboroso.  Existe um menor consenso quanto à questão de saber se os vinhos ecocertificados estão associados a uma pior, semelhante ou melhor qualidade do que os seus homólogos tradicionais.

 

«Os prémios de ecocertificação são essenciais para que a ecoindústria continue», lê-se no relatório do estudo. «O foco puramente nas assimetrias de informação não irá necessariamente criar rótulos ecológicos que alinhem ecoprodutos com as necessidades dos consumidores. Em vez disso, as organizações certificadoras precisam de trabalhar para fazer com que os produtos ecocertificados forneçam informações que, por sua vez, comuniquem claramente a sua proposição de valor aos consumidores, sem criar mais confusão ou sinais de produto não desejados adicionais».

 

Veja também: 15 trilhos de vinho que valem a pena ser explorados

 

Para determinar a qualidade dos vinhos orgânicos versus não orgânicos, a equipa estudou 74.148 vinhos da Califórnia (vinhos entre 1998 e 2004) de 3.482 vinhas. Analisaram os comentários de três publicações: o Wine Advocate, Wine Enthusiast e Wine Spectator, que realizam degustações cegas e classificam vinhos numa escala de 100 pontos. Os vinhos com 90 ou mais pontos são considerados ‘soberbos’ ou ‘destacados’, e tudo acima dos 59 pontos está classificado como ‘imutável’.

 

O estudo analisou mais de 30 variedades de uvas, incluindo Cabernet Sauvignon, Chenin Blanc, Merlot, Pinot Noir, Sangiovese, Semillon e Zinfandel. Segundo os resultados, os vinhos orgânicos obtiveram uma pontuação significativamente maior.

 

 

Artigo anterior

Depois dos excessos...

Próximo artigo

OCEANÁRIO DE LISBOA REQUALIFICA O 'JARDIM DAS ONDAS' DO PARQUE DAS NAÇÕES