Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Viajar pelo mundo sem sair de Arroios possível a partir de sábado

Viajar pelo mundo sem sair de Arroios possível a partir de sábado

A freguesia lisboeta arranca para a segunda edição da iniciativa ‘Volta ao Mundo em Arroios’, que mostra a cultura, gastronomia e artesanato das comunidades estrangeiras residentes na zona.

Pinterest Google+
PUB

Arroios recebe no próximo sábado, a partir das 17 horas, a segunda edição do projeto ‘Volta ao Mundo em Arroios’.

 

O evento conta com uma recriação de uma tradição de Natal ucraniana, as Kolyadky, uma espécie de janeiras que se cantam na altura do Natal ortodoxo por todo o território ucraniano, no Largo do Intendente de Pina Manique.

 

Esta é uma freguesia onde existe mais de uma centena de imigrantes ucranianos residentes e uma comunidade ativa e organizada de muitas centenas de pessoas ligada a este país, que se reflete nas atividades comerciais e na vida cultural.

 

O dia contará com cantares de Natal portugueses e ucranianos, pratos e doces tradicionais da Ucrânia, numa comemoração organizada pela Junta de Freguesia de Arroios com o apoio do Centro Social e Cultural Luso Ucraniano e a Embaixada da Ucrânia.

 

Depois do sucesso da primeira edição em 2015, no âmbito do programa da Câmara de Lisboa para Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP), a Junta de Freguesia de Arroios aposta na continuidade deste projeto que visa promover e dar destaque ao diálogo intercultural e à riqueza e diversidade culturais da freguesia.

 

Veja a galeria: Paraísos escondidos na Europa

 

Através do apoio e da organização de semanas temáticas ou de eventos pontuais será possível, no coração da cidade de Lisboa, passar por países como a Ucrânia, China, Itália, Bangladesh, Alemanha, Rússia ou Nepal.

 

Na primeira edição deste projeto multicultural Arroios viajou por países como Angola, Bangladesh, Marrocos, Cabo-Verde, Ucrânia, Brasil, Alemanha, Espanha, Guiné-Bissau, China e Índia. Foram 11 no total, alguns dos quais voltam a ser visitados nesta segunda edição.

 

Recorde-se que num território de cerca de trinta e cinco mil habitantes, 10% representam a comunidade estrangeira nesta freguesia, com 79 nacionalidades. É este caldeirão cultural que a autarquia pretende revelar a toda a cidade, mostrando a dinâmica das diferentes comunidades através das mais variadas formas de cultura, desde as artes plásticas, ao teatro, cinema, gastronomia, fotografia e outras atividades.

Artigo anterior

Janet Jackson: «Eu não tenho cancro»

Próximo artigo

Mastigar devagar ajuda a prevenir a obesidade infantil