Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Verdades e mitos sobre o pavimento pélvico

Verdades e mitos sobre o pavimento pélvico

Para uma boa saúde e bom funcionamento das suas funções do baixo ventre, entre as quais a sexual, é importante desmistificar algumas ‘verdades’ que se vão instalando.

Pinterest Google+

 

O pavimento pélvico é um conjunto de músculos que permite o apoio dos órgãos pélvicos (bexiga, útero, intestino e reto). Estes músculos ajudam na continência urinária e fecal e têm um papel importante na função sexual. Estudos apontam as vantagens do treino destes músculos na prevenção do prolapso do útero, no tratamento da incontinência urinária e fecal ou no desempenho sexual.

 

Avaliar o pavimento pélvico: exercícios

Os exercícios de treino dos músculos do pavimento pélvico permitem o seu fortalecimento. Exercitá-lo é fácil? Na década de 50, o médico Arnold Kegel desenvolveu uma série de exercícios, exercícios de Kegel, para mulheres que sofriam de problemas de incontinência urinária. Os exercícios tinham como objetivo reforçar os músculos do pavimento pélvico através de uma série de contracções repetidas.

 

Não devendo ser recomendados nos moldes em que foram descritos inicialmente, estes exercícios continuam a ser sugeridos, e erradamente generalizados, a qualquer treino do pavimento pélvico. Mas nem sempre o necessário é fortalecer. Segundo Andreia Antunes, “recomendar treino dos músculos quando existem sintomas é perigoso. O que aquela mulher pode precisar pode ser precisamente o oposto. Ou seja, deixar de contrair e relaxar”.

 

Na Internet, encontra-se uma série de exercícios que ensinam a fortalecer o pavimento pélvico. No mercado existe uma série de aparelhos que, introduzidos na vagina, permitem através de sensores a monitorização dos exercícios. Indicações sobejam e escolhas não faltam. Tudo parece simples e, dadas as vantagens, quase impossível de não praticar. Mas haverá contra-indicações?

 

Veja também: Anorgasmia: nunca senti nada

 

Contra-indicações

Andreia Antunes indica que sempre que haja qualquer sintomatologia do pavimento pélvico (por exemplo: perdas de urina, dor, obstipação, perdas de fezes ou de gases) isso constitui uma contra-indicação absoluta para qualquer tipo de treino sem que seja feita uma avaliação prévia para perceber a origem da sintomatologia. Podemos ter um pavimento pélvico hipertónico (tensão dos músculos) ou hipotónico (fraqueza) dos músculos). Uma intervenção adequada requer uma avaliação na mesma medida.

 

Por exemplo, nos casos de hipertonia, Andreia Antunes indica que o necessário será aplicar técnicas de terapia manual e relaxamento, e ganhar amplitude funcional para que o pavimento pélvico recupere função. Nestes casos “treinar” é absolutamente contra-indicado.

 

Veja também: Queixas comuns que podem ser curadas com sexo

 

“Do it yourself”

O pavimento pélvico, como qualquer músculo do corpo, precisa de ser utilizado exercitamento para não perder a sua função. Propostas para aprender a fazer exercícios, maquinetas adjuvantes são crescentes e cada vez mais comercializadas. No entanto, desconfie quando lhe aparece uma série de programas que salvam o seu pavimento pélvico da disfunção sem uma avaliação adequada. Há muitos “benefícios para a sexualidade feminina” que são puro marketing.

 

Caso tenha dúvidas, antes de ligar a sua vagina a um smartphone, considere a possibilidade de fazer uma avaliação clínica ao seu pavimento pélvico.

 

Artigo anterior

Anorexia nervosa pode ser genética, sugere estudo

Próximo artigo

Dia Mundial do Sono: problemas do sono afetam vida sexual