Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Vamos plantar? Falemos dos auxiliares!

Vamos plantar? Falemos dos auxiliares!

Nem todos os animais que se observam numa horta podem ser considerados nocivos. Assim, a proteção da cultura não deve ser efetuada de forma indiscriminada destruindo todos os seres vivos.

Pinterest Google+

Na horta, existe vida, existem seres vivos que se alimentam das plantas (fitófagos) e existem inimigos naturais que se alimentam deles, estes são designados de auxiliares, pois auxiliam na manutenção de uma horta saudável, em equilíbrio. Pelo que nem todos os animais que se observam numa horta podem ser considerados nocivos. Assim a proteção da cultura não deve ser efectuada de forma indiscriminada destruindo todos os seres vivos.

 

Existem três tipos de auxiliares:

  • Os predadores: caçam e devoram as suas presas. Em algumas espécies de insetos, por exemplo, apenas as larvas são predadoras, enquanto os adultos se alimentam de néctares, noutros casos são os adultos os predadores;
  • Os parasitas ou parasitóides: parasitam insetos que se alimentam dos fitófagos, outros parasitam os ovos e as larvas de outros insetos. Em algumas artes do mundo, já são criados artificialmente estes auxiliares e colocados nas culturas como forma de luta biológica;
  • Por último, os insetos polinizadores, que transportam involuntariamente o pólen de planta em planta, colaborando assim na fecundação das flores, consequentemente aumentando a produção de sementes e frutos, neste caso as abelhas são os polinizadores mais importantes.

 

Como podemos aumentar os nossos auxiliares de modo a contribuir para uma pequena horta saudável e em equilíbrio?

Aumentado a variedade de espécies vegetais, pois cada uma funciona como local de alimentação de várias espécies animais. Aumentando a diversidade aumenta-se a complexidade da cadeia alimentar, o que geralmente funciona como um factor de estabilidade, onde menor será o risco de ataques devastadores de insetos nocivos.

 

Uma horta clássica que contenha alho francês/feijão/batata sem infestantes (flora espontânea) contém no máximo uma trintena de espécies. Uma horta ecológica que recorre às espécies espontâneas e a uma ampla variedade de espécies vegetais pode abrigar mais de cento e cinquenta espécies animais sem perder a sua produtividade. As plantas com pólen e néctar tornam-se mais interessantes no plano ecológico.

 

Exemplos de plantas com néctar e pólen: aneto, coentro, pastinaga, calêndula, camomila-alemã, dente de leão tomilho, segurelha, capuchinha, erva cidreira, trigo sarraceno, entre outras. Nas próximas publicações, daremos mais algumas dicas, como por exemplo o controlo/prevenção de pragas, consociações, entre outros. Até lá bons cultivos…

 

Bibliografia:

Thorez, Jean-Paul, Guia de Agricultura Biológica – Hortas, Pomares e Jardins, Vida Editores, Maio de 2011

Artigo anterior

Exercício físico insólito: de dormir no ginásio a cabritos em aulas de yoga

Próximo artigo

Maior ZARA do país inaugura no Centro Vasco da Gama