Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Um terço dos portugueses prefere comprar medicamentos de marca em vez de genéricos

Um terço dos portugueses prefere comprar medicamentos de marca em vez de genéricos

Embora a substância ativa seja a mesma, bem como a forma farmacêutica e o preço seja entre 20 a 35% inferior, muitos consumidores não sabem que os medicamentos genéricos são igualmente eficazes.

Pinterest Google+
PUB

A DECO PROTESTE, organização de defesa do consumidor, revela que mais de um terço dos portugueses prefere comprar medicamentos sujeitos a receita médica de marca em vez de recorrerem aos genéricos.

 

Num estudo realizado pela DECO PROTESTE, três quartos dos portugueses referiram confiar nos medicamentos genéricos, porém, quando têm de comprar um medicamento sujeito a receita médica, 35% prefere os de marca.

 

Segundo a organização de defesa do consumidor, as razões podem ser várias, como a preferência ou o desconhecimento. Os dados apurados revelam que 18% dos portugueses não acreditam que os efeitos terapêuticos dos medicamentos genéricos sejam iguais aos dos medicamentos de marca.

 

Os medicamentos genéricos apresentam um preço entre 20 a 35% inferior ao de marca. No estudo da DECO PROTESTE, 89% dos inquiridos referiu que sempre que existe um genérico mais barato, este deve ser indicado pelo farmacêutico.

 

Contudo, 44% afirmou ter sido obrigado a comprar medicamentos de marca no último ano por não haver genéricos, algo que pode ser justificado pela falta de provisão ou pela inexistência dessa mesma solução para o medicamento em questão.

 

O estudo conclui ainda que 68% dos portugueses acreditam que o medicamento genérico é tão eficaz como o medicamento de referência, mas só menos de metade dos inquiridos (47%) concordam que os genéricos não causam mais reações adversas do que os de marca.

 

Embora reconheçam que o preço é mais baixo, mais de um terço (36%) não sabe que os genéricos permitem poupanças ao Serviço Nacional de Saúde.

Artigo anterior

Ainda não decorou a sua casa? Siga este breve guia

Próximo artigo

17% das ervas e especiarias comercializadas na Europa adulteradas