Home»LAZER»DICAS & VIAGENS»Um fim de semana em Amesterdão: siga este guia detalhado

Um fim de semana em Amesterdão: siga este guia detalhado

A capital holandesa é o destino perfeito para uma escapadela de fim de semana. A pé ou de bicicleta, conheça a cidade dos canais, deixe-se encantar pelos bairros históricos, faça compras nos mercados de rua ou visite um dos muitos museus. Fazemos-lhe uma detalhada visita guiada.

Pinterest Google+

Chegar a Amesterdão é muito simples. Quer venha de outra cidade holandesa ou diretamente do aeroporto, provavelmente vai entrar na cidade pela Estação Central. Esta é um edifício monumental, acabado de construir no ano de 1889. Ao chegar aqui, procure um mapa da cidade no posto de turismo mesmo em frente e informe-se da melhor opção para chegar ao seu destino, sendo que a cidade tem uma fantástica estrutura de transportes públicos.

 

Apesar de o centro da cidade ser relativamente grande, com um bom par de ténis está apto a visitar a cidade a pé. Se escolher o modo holandês, a bicicleta, respeite as direções das faixas para ciclistas. Os canais que serpenteiam o rio Amstel são a essência da cidade de Amesterdão e estão assinalados como Património Mundial da UNESCO. Espante-se com estes números: a cidade tem 1000 pontes, 100 canais e um milhão de bicicletas.  Uma forma diferente de ver a cidade é fazer um cruzeiro noturno, onde poderá ver as pontes e os canais de uma forma surpreendente.

 

O Museu Rijks é o maior da cidade e reabriu depois de obras de recuperação. O colossal edifício ocupa quase um quarteirão da cidade no Distrito dos Museus e da Moda. A famosa escultura ‘Iamsterdam’ está localizada junto ao Museu Rijks e é um dos pontos mais fotografados pelos turistas. O Museu Rijks guarda algumas das mais famosas obras do holandês Rembrant, como ‘A ronda noturna’ ou ‘A noiva judia’, além de peças de Vermeer, Bol e Steen. O museu tem ainda um grande restaurante e lojas, mas planeia a sua visite com antecedência porque as filas são longas.

 

A P.C. Hooftstraat é a rua mais cara da Holanda. Aqui, apenas as marcas de luxo mais exclusivas do mundo têm lugar. Visite também o Museu do Diamante, nesta zona, onde vai poder aprender sobre a pedra mais valiosa do mundo. A Heineken Experience oferece uma visita guiada pelo edifício onde a mais famosa cerveja holandesa é fabricada há 150 anos. Pode ver o processo e, no final, beber a verdadeira cerveja holandesa.

 

Sendo a cidade apelidada de ‘Veneza do norte’, nada faz mais sentido do que ver Amesterdão a bordo de um dos muitos barcos que oferecem circuitos turísticos pelos canais. Por 15 euros consegue um passeio de 75 minutos na Blue Boat Company. Os cruzeiros pelos canais saem do porto de 30 em 30 minutos. Há ainda a possibilidade de jantar a bordo e fazer o passeio noturno. No passeio de barco, vai passar por um enorme restaurante chinês dentro de água. É uma réplica de um que existe em Hong Kong. Só que lá tem 5000 lugares e este tem 700.

 

Outra das curiosidades de Amesterdão são os barcos casa, atracados nas margens dos canais, que servem de residência a habitantes locais. Além dos barcos transformados em casa, existem as casas flutuantes. Estas são construções novas colocadas sobre uma estrutura flutuante na água ou, por vezes, sobre placas de cimento. O rio Amstel tem uma profundidade média de 2,8 metros. Pode aprender outras curiosidades sobre a vida no rio no Museu Casa-Barco.

 

O Nemo é o museu da ciência e tecnologia, construído com a forma de um barco. No topo do edifício, os jardins oferecem uma vista panorâmica sobre a cidade. Em frente ao Museu Marítimo Nacional, está atracada uma réplica do navio Amsterdam, um navio do século XVIII que naufragou na costa inglesa em 1749. Em 1969 os restos do navio foram encontrados devido a uma maré anormalmente baixa. A réplica foi construída por 400 voluntários e trazida para este local, onde pode ser visitada.

 

O famoso museu russo tem um subsidiário em Amesterdão. O Museu Hermitage está num edifício do século XVII, que em tempos foi um lar para idosos. Desde 2009, recebe exposições de arte europeia e a história do Hermitage russo e da família real do mesmo país.

 

O famoso Red Light District é o centro da diversão noturna. As ruas estão cheias de janelas, onde mulheres semi-nuas se exibem. A prostituição é legal aqui desde 2000. Nas ruas circundantes, bares e discotecas com todo o tipo de música estão abertas todos os dias da semana. Lojas, restaurantes e as famosas coffee shops encontram-se nas ruas deste bairro. Vários mercados preenchem a vida da cidade, em particular aos fins-de semana. Aqui, turistas e locais misturam-se. Visite o Mercado das Flores, no centro da cidade. Os queijos também são outro ex-libris da Holanda. Pode encontrar várias casas especializadas por toda a cidade.

 

Para comer, tem de provar o arenque. Tradicionalmente, o haring come-se inteiro. Numa versão mais turística, é cortado aos pedaços e servido com pepino em conserva e cebola. Prove também a frikandel com batata frita. A história desta salsicha sem pele remonta ao século XVII. Mas aviamos que não é fácil de encontrar, uma vez que a cidade já está repleta de cadeias internacionais. Se preferir alimentação mais saudável, fique descansado que por todo o lado encontra sumos e batidos de fruta e vegetais e vários espaços de comida biológica.

 

barra

Artigo anterior

Doçaria nacional à prova em Abrantes

Próximo artigo

Velhos, mas com muito estilo