Home»VIDA»SOCIEDADE»Tugabox: Portugal numa caixa de cartão

Tugabox: Portugal numa caixa de cartão

O conceito nasceu em 2014 e envia mensalmente para os clientes estrangeiros uma caixa com uma seleção de produtos portugueses

Pinterest Google+
PUB

Em agosto de 2013, Rita Gomes visitou um casal de amigos que estava a viver em Shanghai. Na mala levou um pequeno cabaz de produtos portugueses a pedido dos emigrantes. “Eram coisas simples mas que, para quem estava há mais de três anos do outro lado do mundo, valem muito. Levei pão de Deus, bola de berlim, bacalhau e azeite”, conta. No início de 2014, Rita voltou à China e recebeu o mesmo pedido dos amigos: “Quando lá voltei resolvi acrescentar mais um produto, algo que encontramos em todos os supermercados em Portugal mas que foi uma surpresa para eles: um pacote de rebuçados Flocos de Neve.” Rita recorda a reação dos amigos: “Foi fantástica, aquele pacote de rebuçados fez a felicidade daquelas pessoas e fez-me pensar em como levar aquela felicidade a outros.”

E foi assim que que, em agosto de 2014, surgiu a Tugabox, depois de meses de investigação para definir o modus operandi mais adequado: “Analisámos vários modelos e o de subscrição foi o que melhor se encaixava no projeto, tendo em mente que o conciliamos com a nossa atividade profissional.” Aos 33 anos, Rita gere a Tugabox nos seus tempos livres, tendo como missão “levar a todos os que estão fora de Portugal um sorriso.”

O processo é simples: os clientes fazem uma subscrição no site tugabox.pt e mensalmente recebem na sua residência uma caixa com cinco a sete produtos nacionais, sendo que todos os meses a seleção varia e os clientes são surpreendidos. “O conteúdo da caixa é escolhido pensando nos produtos com que os clientes cresceram, alguns clássicos que, muitas vezes, são produtos de que já nem se lembravam”, explica Rita Gomes. A subscrição mensal tem o custo de 30 euros e a trimestral fica por 81 euros.

Para surpreender os seus clientes e oferecer uma seleção interessante, Rita faz uma pesquisa de mercado constante: “Um dos requisitos é que as empresas sejam portuguesas. Recentemente encontramos algumas start-ups com novos produtos interessantes e com quem temos trabalhado.”

Com menos de um ano de existência, a Tugabox conta atualmente com mais de 50 clientes, entre subscrições regulares e clientes pontuais, tendo já enviado caixas para 13 países diferentes, entre os quais Noruega, Brasil, Mónaco, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido, Alemanha, Dinamarca, França, Roménia e até Portugal.

Para o segundo trimestre de 2015, a empreendedora confessa que a empresa estabeleceu “um objetivo ambicioso” que implica um crescimento de 100%. “Estabelecemos no início do ano que queríamos chegar ao fim do primeiro semestre com 100 clientes e, neste momento, estamos a meio dessa meta.”

Acabar com a saudade
Um casal de portugueses a viver na Suíça foram os primeiros clientes da Tugabox e Rita conta que recebeu o feedback com alegria porque estes “compreenderam totalmente a ideia da Tugabox”. “Uma das magias destas caixas não é tanto o conteúdo em si, mas a surpresa e aquela sensação do ‘Meu Deus, já não me lembrava disto!’ (…) É um mimo. É o equivalente aos pudins Mandarim enviados pela minha mãe ou à R. trazer chouriços, alheiras e farinheira quando nos veio visitar”, escreveram os clientes no blogue Rabujices, onde contam a sua aventura pela Suíça.

Rita explica que, por vezes, recebe sugestões de produtos por parte dos clientes regulares mas, no geral, estes querem ser surpreendidos por produtos novos no mercado ou, por outro lado, por produtos que não usavam desde a sua infância: “Muitas vezes somos nós a inspiração para os produtos que, depois, os nossos clientes pedem aos familiares para lhes enviar.”
Em fevereiro, por exemplo, a caixa continha: um saco de beijinhos, poejo, mel em saquetas, chouriço, uma sebenta e um lápis com tabuada. “Um pedacinho de casa”, como escreve a marca, apenas à distância de um clique.

Por Joana de Sousa Costa

Artigo anterior

Como criar empatia

Próximo artigo

Contrariar a nossa personalidade no trabalho é perigoso