Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Tubarões nascidos no Oceanário agora em exposição

Tubarões nascidos no Oceanário agora em exposição

Quatro machos e uma fêmea de tubarão-de-port-jackson podem agora ser observados no aquário dos “Peixes do sul da Austrália”, que recria o seu habitat natural.

Pinterest Google+
PUB

O Oceanário de Lisboa reabre um aquário com cinco juvenis de tubarão-de-port-jackson (Heterodontus portusjacksoni), nascidos no Oceanário. Este projeto de reprodução é importante para a promoção e partilha do conhecimento desta espécie.

 

Nascidos entre 2013 e 2015, quatro machos e uma fêmea de tubarão-de-port-jackson podem agora ser observados no aquário dos “Peixes do sul da Austrália”, que recria o seu habitat natural, onde vivem com outras espécies, como o peixe-bobo-de-faixa-negra, a zebra-de-armadura, o riscadinho e a viola-de-faixas. Enquanto juvenis, são alimentados duas vezes por dia, com peixes, camarões e lulas.

 

Veja também: Viajantes de todo o mundo elegem os melhores pequenos-almoços de Portugal

 

Segundo o comunicado divulgado, as fêmeas desta espécie põem cerca de 12 ovos, protegidos por cápsulas em forma de espiral, que enroscam com a boca em buracos e fendas. Um ano depois, os juvenis nascem completamente formados, com cerca de 20 centímetros, podendo atingir, na idade adulta, 165 centímetros de comprimento.

 

Com o intuito de promover e manter, continuamente, a excelência do bem-estar animal, uma equipa de biólogos e o veterinário do Oceanário monitorizaram o desenvolvimento embrionário dos tubarões, através de ecografias e endoscopias, recolhendo dados para o estudo da sua reprodução, essenciais para o controlo das populações.

 

Os tubarões-de-port-jackson juntam-se assim ao vasto conjunto de outras espécies que se reproduzem no Oceanário, como as lontras-marinhas, as uges-redondas ou os pinguins-de-magalhães, comprovando o seu papel fundamental na promoção do conhecimento científico e na conservação da biodiversidade marinha.

 

Artigo anterior

Dieta para as mães que amamentam

Próximo artigo

Um em cada seis europeus vive em privação material