Home»VIDA»CARREIRA»Ter ou não ter amigos no local de trabalho?

Ter ou não ter amigos no local de trabalho?

As relações pessoais desenvolvidas no local de trabalho podem trazer benefícios para a entidade e para o bem-estar geral dos funcionários. Já ser amigo do chefe é outra conversa...

Pinterest Google+
PUB

Quando falamos da questão de desenvolver amizades no local de trabalho, há dois cenários distintos que temos de analisar: a amizade entre colegas e a amizade entre chefe e subordinados. Várias pesquisas e estudos têm sido desenvolvidos sobre esta matéria, que é também alvo de comédia fácil em séries como ‘The Office’, onde o chefe passa por alguns maus momentos em consequência de não estabelecer limites perantes os seus empregados.

 

«Quando se trabalha lado a lado com alguém, dia após dia, é perfeitamente normal que amizades venham a desenvolver-se», explica Brian Fielkow, autor do livro “Driving to Perfection: Achieving Business Excellence By Creating A Vibrant Culture” (A Caminho da Perfeição: Alcançar a Excelência nos Negócios Através da Criação de Um Ambiente Vibrante). «Algumas pessoas acreditam que o trabalho e a vida pessoal deviam estar separados, mas a maioria das pessoas não quer apenas marcar presença no local de trabalho», refere.

 

Veja a galeria: A vantagem de ter amigos no trabalho

 

Várias pesquisas mostraram já que ter amigos no local de trabalho é bom para o negócio. A empresa americana de estudo de comportamentos Gallup fez um estudo contínuo de dois anos em algumas empresas americanas, descobrindo que amizades no local de trabalho aumentam a satisfação dos funcionários em 50 por cento e que as pessoas que têm um melhor amigo no trabalho têm sete vezes mais probabilidades de se dedicarem completamente ao projeto.

 

Ou seja, as pessoas que têm amigos no trabalho são tendencialmente mais felizes e produtivas e desistem menos perante dificuldades. Mesmo em fases em que os trabalhadores não estão felizes no trabalho, as amizades ajudam a reduzir os níveis de stress, de acordo com Michael Sollitto, professor assistente na Universidade do Texas e autor do estudo “Peer Coworker Relationships: Influences on the Expression of Lateral Dissent” (Relações de Colegas de Trabalho: Influências na Expressão da Dissidência Lateral).

 

Veja a galeria: Os melhores amigos de Hollywood

 

Já se falamos da relação entre chefe e empregado, as regras são diferentes. «Amizades com subordinados podem tornar-se perigosas para ambos os lados», explica Brian Fielkow. «Os empregados que não são tão próximos do chefe podem sentir que os amigos recebem tratamento especial». Como consequência, qualquer avanço positivo na carreira desses amigos será mal encarado pelos restantes funcionários, e o chefe perderá o respeito dos seus subordinados.

 

O especialista chama ainda a atenção para o facto de ser mais difícil ter atitudes de chefe perante um amigo, seja uma chamada de atenção ou um despedimento. Para evitar problemas, Fielkow deixa alguns conselhos: definam limites; não falem de trabalho  nos encontros pessoais; não partilhem informação privada da empresa. Para o chefe, é importante manter uma relação próxima com todos os outros funcionários, mostrando-se disponível e acessível.

 

 

 

Artigo anterior

Rastreios gratuitos ao coração

Próximo artigo

Ciência prova o poder das expetativas