Home»FOTOS»Ter cão foi associado a uma vida mais longa em pessoas com problemas cardíacos

Ter cão foi associado a uma vida mais longa em pessoas com problemas cardíacos

Estudo publicado no jornal da Associação Americana do Coração vem corroborar a ideia de que ter um cão acrescenta anos de vida, uma vez que oferece companhia substituta e motivação para a atividade física. Os benéficos são gerais, mas notam-se especialmente em pessoas com historial de problemas cardíacos.

Pinterest Google+

Ter um cão foi associado a conseguir uma vida mais longa, nomeadamente por reduzir em 24% o risco de morte por todas as causas; em 33% o risco de morte prematura em sobreviventes de ataques cardíacos que moravam sozinhos; e em 27% o risco de morte precoce para sobreviventes de derrames que moravam sozinhos, em comparação com pessoas que não possuíam um cão. O estudo, publicado no jornal da Associação Americana do Coração, indica que a posse de cães está associada ao aumento dos níveis de atividade física e ao aumento do apoio social, uma vez que oferece companhia substituta e motivação para a atividade física.

 

As descobertas em dois estudos e análises que compõem esta publicação baseiam-se em estudos anteriores de que a propriedade de cães está associada a reduções de fatores que contribuem para o risco cardíaco e para eventos cardiovasculares.  «Estes dois estudos fornecem dados de boa qualidade que in dicam que a propriedade do cão está associada à redução da mortalidade cardíaca e por todas as causas. Embora esses estudos não possam ‘provar’ que a adoção ou a posse de um cão leve diretamente à redução da mortalidade, estas descobertas robustas são, pelo menos, sugestivas disso mesmo», declara Glenn N. Levine, membro da Associação Americana do Coração.

 

VEJA TAMBÉM: CONHEÇA NOVE RAÇAS DE CÃES RARAS

 

Dada a pesquisa anterior demonstrando como o isolamento social e a falta de atividade física podem impactar negativamente nos pacientes, os pesquisadores do estudo e da metanálise procuraram determinar como a propriedade do cão afetava os resultados de saúde. Estudos anteriores mostraram que a posse de cães alivia o isolamento social, melhora a atividade física e até diminui a pressão arterial – levando os pesquisadores a acreditar que os donos de cães poderiam ter melhores resultados cardiovasculares do que os não-donos.

 

Assim, os pesquisadores deste estudo compararam os resultados de saúde de proprietários e não proprietários de cães após um ataque cardíaco ou derrame usando dados de saúde fornecidos pelo Registro Nacional de Pacientes da Suécia. Os pacientes estudados eram residentes suecos com idades entre 40 e 85 anos que sofreram ataques cardíacos ou derrames isquémicos entre 2001 e 2012.

 

Comparados às pessoas que não possuíam um cão, os pesquisadores descobriram que, para os donos de cães, o risco de morte para pacientes com ataque cardíaco que moram sozinhos após a hospitalização foi 33% menor e 15% menor para aqueles que moram com companheiro ou filho. O risco de morte para pacientes com AVC que moram sozinhos após a hospitalização foi 27% menor e 12% menor para aqueles que moram com companheiro ou filho. No estudo, quase 182.000 pessoas foram registadas como tendo um ataque cardíaco, com quase 6% sendo donos de cães, e quase 155.000 pessoas foram registadas como tendo um derrame isquémico, com quase 5% sendo donos de cães.

 

VEJA TAMBÉM: CÃES GULOSOS: A COMIDA DE HUMANOS QUE ELES PODEM OU NÃO COMER

 

Os pesquisadores reviram dados de pacientes de mais de 3,8 milhões de pessoas extraídas de 10 estudos separados para um estudo de metanálise. Dos 10 estudos revistos, nove incluíram comparação de resultados de mortalidade por todas as causas para proprietários e não proprietários de cães e quatro compararam resultados cardiovasculares para proprietários e não proprietários de cães. Os pesquisadores descobriram que, em comparação com os não proprietários, os donos de cães experimentaram:

– Risco reduzido de 24% de mortalidade por todas as causas;

– 65% de risco reduzido de mortalidade após ataque cardíaco; e

– 31% reduziram o risco de mortalidade devido a problemas cardiovasculares.

 

O próximo passo neste tópico, dizem os investigadores, seria um estudo de intervenção para avaliar os resultados cardiovasculares após a adoção de um cão e os benefícios sociais e psicológicos da propriedade do cão. Se anda a pensar em adotar um cão, conheça as vantagens de ter em casa um amigo de quatro patas, segundo Tânia Ruivo, do Projeto Biscoitos & Cãopanhia. Veja na galeria no início do artigo.

Artigo anterior

Mês Rosa: reconstrução mamária com introdução de implante

Próximo artigo

Um périplo por cinco países onde se fala português