Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Ter a sorte ou fazer a sorte?

Ter a sorte ou fazer a sorte?

"Tiveste muita sorte... Estares hoje onde estás, fazeres o que estás a fazer, conheceres quem conheces, teres tudo o que queres, viajar como viajas...". O que acha da sua sorte?

Pinterest Google+
PUB

Ter sorte? Existem casualidades e sincronicidades, sim. Eventos improváveis que acontecem em momentos específicos e que, de alguma forma, têm impacto no meu caminho. Se gosto do impacto, do resultado, posso chamar-lhe sorte. Se não, algumas pessoas que conheço chamam-lhe azar…

 

Curioso, não é? Por não gostar de um resultado, do que aconteceu, por preferir que tivesse acontecido outra coisa ou que a situação tivesse tido outro desfecho; algumas pessoas dizem que foi azar. Pois as circunstâncias externas, o que não controlam, aconteceu diferente, ou mesmo ao contrário, do que gostariam que tivesse sucedido.

 

Mas então o que gera a sorte? O mais impactante, por tudo o que leio e em que acredito, são mesmo as escolhas e ações que a pessoa faz antes, durante e depois daqueles momentos.

 

Veja também: Amuletos da sorte

 

Foi a ação de ir àquele evento, disponível para o que surgisse, que deu a oportunidade de conhecer aquela pessoa. Ao escolher ir por aquela estrada naquele dia fez com que evitasse o trânsito do acidente que aconteceu na estrada por onde habitualmente ia. Quando decidiu jogar, essa ação abriu o espaço e a oportunidade de lhe ter saído o bilhete premiado. É o andar “de olhos abertos”, relaxada, com a “mente aberta”, que permite encontrar aqueles dois euros no chão que usa para pagar o seu café, ou chá, naquele dia. Quando decidiu e se dispôs a falar com alguém foi quando recebeu a ajuda e o apoio que há tanto tempo esperava e não encontrava.

 

A sorte faz-se. O que não controlo é só o que não controlo. Que hoje, e quando quiser, veja a sorte que já tem. Dê uma ajuda a si mesma. Ajude-se a criar a sorte que a ajuda!

 

Desejo-lhe uma semana…sortuda!

 

Referência bibliográfica: Richard Wiseman; O Factor Sorte; Dom Quixote; 2006; ISBN: 9789722030809

Artigo anterior

Pop Galo de Joana Vasconcelos viaja até à China

Próximo artigo

Pais preferem produtos naturais e biológicos