Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Tecnostresse: a nova problemática da atualidade

Tecnostresse: a nova problemática da atualidade

Apesar de ser um problema muito comum nos dias de hoje, a maior parte das pessoas nunca ouviu falar de tecnostresse. O que é isto, afinal, e que implicações tem na nossa saúde mental?

Pinterest Google+
PUB

Vivemos numa era digital em que grande parte das nossas atividades diárias são conduzidas a partir da tecnologia. Queremos ir àquela praia onde nunca fomos? GPS. Queremos conversar com aquela pessoa que não vemos há meses? Redes sociais. Queremos escrever um artigo de opinião? Computador. A tecnologia veio ajudar-nos em diversas áreas da nossa vida e ao longo dos anos temos vindo a desenvolver uma relação íntima com ela. Mas como em todas as relações existem as menos saudáveis.

 

Aqui entra o tecnostresse, quando a nossa relação com a tecnologia é disfuncional e nos causa mau estar e desconforto. Na realidade o tecnostresse é um dos efeitos negativos associado à tecnologia mais referenciado na literatura e é mais comum do que podemos pensar, no entanto, ainda não é muito falado na sociedade.

 

Para muitas pessoas a tecnologia pode ser vista como um estímulo stressor que conduz a respostas pouco saudáveis causadas pela incapacidade de lidar com as novas tecnologias, muitas vezes por falta de recursos pessoais.

 

VEJA TAMBÉM: DICAS PARA CONSEGUIR AFASTAR-SE DO SEU SMARTPHONE

 

A tecnofobia e a tecnofilia

Esta utilização desadaptativa pode repartir-se em dois polos: A tecnofobia e a tecnofilia. Como o nome indica, a tecnofobia consiste na ansiedade e no medo irracional face à tecnologia. Este medo pode estar associado, por exemplo, à utilização de computadores muito sofisticados no local de trabalho, em que a pessoa acha que não tem competências nem recursos para lidar com as mesmas.

 

Quando este medo é intenso, além dos sintomas orgânicos (palpitações, sudorese, entre outros) temos os sintomas comportamentais como o evitamento, em que a pessoa tenta evitar ao máximo o uso das máquinas tecnológicas. Estes comportamentos, muitas vezes, têm impacto ao nível da carreira e a nível pessoal.

 

A tecnofilia, por outro lado, consiste no entusiasmo e prazer ao usar a tecnologia. Isto pode ser bom, claro, pois vamos utilizá-la muito mais e ganhar competências que nos facilitem o seu uso. A adicionar a isto, a adaptação face às constantes atualizações a que estão sujeitas é feita de uma forma saudável e funcional. No entanto, se formos a extremos podemos chegar à adição.

 

Certamente já conhecemos alguém que não consegue passar 5 minutos sem mexer ou olhar para o telemóvel (até se torna complicado manter uma conversa cara a cara com essa pessoa) e que quando está sem bateria começa a demonstrar sintomas de ansiedade e de abstinência (a pessoa fica irrequieta, angustiada e com dificuldades de concentração, por exemplo).

 

Tal como todas as adições existentes no mundo da saúde mental, a adição à tecnologia pode ter um impacto negativo muito significativo na vida da pessoa, tanto pessoal como profissional.

homem a olhar para smartphone

É importante relembrarmo-nos da pandemia há tão pouco tempo vivenciada por todos, em que a única forma que tínhamos de continuar a trabalhar, estudar e socializar era sobretudo através do computador. Imaginemos o impacto que isto teve nas pessoas que tinham, previamente, uma relação disfuncional com a tecnologia, tanto de medo como de compulsão.

 

Realmente os estudos indicam que o confinamento e, mais especificamente, o teletrabalho, tiveram um impacto significativo nos níveis de tecnostresse, até mesmo para pessoas que não o tinham experienciado antes. Quando pensamos em medo intenso e adição, é importante pensarmos acerca do impacto que isto tem ao nível da saúde mental.

 

As pessoas que experienciam tecnostresse apresentam uma pior relação com a tecnologia e a perceção de fracas competências tecnológicas, além de baixa autoconfiança e pobres estratégias de regulação emocional. Dependendo do nível de stress e do contexto onde a tecnologia está inserida, a pessoa pode sentir-se preocupada, angustiada, pensativa e ansiosa.

 

Aquilo que se verifica nos vários estudos realizados sobre o tema é que o tecnostresse está associado a sintomas de ansiedade e depressão clínicas, o que torna de extrema importância a literacia sobre este tema, pois conhecendo os sintomas, conseguimos mais facilmente identificá-los em nós e nos outros e ficamos, assim, a um passo de pedir ajuda especializada.

 

Depois de ler este artigo online, acho que devia fazer uma pausa das tecnologias!

 

Por Inês Miranda

Psicóloga clínica

 

 

 

Artigo anterior

Dê um ‘up’ às suas sobrancelhas através do brow lift

Próximo artigo

Curcuma, o condimento que melhora (também) a memória e o humor