Vera de Melo – Psicologia

Psicóloga clínica. Escreve quinzenalmente à quinta-feira.

No cenário atual que vivemos, um cenário de pandemia, onde nos é lançado o desafio de ficar em casa, cria-se um terreno fértil para a proliferação da violência doméstica. Estar confinado/a em casa com um cônjuge violento é muito perigoso. Por Vera de Melo.

Vivemos a vida em stress constante, queixamo-nos do trabalho, do trânsito, dos colegas, da falta de falta de tempo, para nós e para a família. No entanto, agora, por força das circunstâncias, temos tempo, mas queremos voltar a não ter. Queremos a nossa vida agitada de volta. Alguém que perceba o ser humano, nunca está satisfeito com o...

Um mundo empresarial sem idiotas é tão improvável quanto impossível. A sociedade transformou-se num aeroporto de idiotas, a cada dia aterra mais um avião lotado, o que nos deve a todos preocupar. Mas porque há tantos chefes Idiotas? Por Vera de Melo.

Durante algumas horas, o desafio é guardar as nossas máscaras sociais quotidianas e dar lugar, pelo anonimato adornado por uma máscara escolhida, a aspetos da nossa verdadeira identidade. Por Vera de Melo.

A escola no geral e o professor em particular não podem, sob circunstância alguma, assumir o papel de ficar com o conjunto dos problemas que a família não consegue ou não quer resolver. Por Vera de Melo.

Não escolhemos a pessoa que amamos, nem escolhemos quando deixar de amar, o amor simplesmente acontece. Por Vera de Melo.

É no futebol, na vida, no mundo laboral. Os mais fortes emocionalmente são os que enfrentam de forma mais estruturada as dificuldades, encaram com esperança as adversidades e atingem sucesso. Descubra quem é Bruno Miguel da Silva Nascimento e se partilha algumas das suas características. Por Vera de Melo.

Pela sétima vez a cor do ano é azul, mas é a primeira experiência multisensonsorial e só por isso já fez história! Pela sétima vez, é escolhido um tom azul, assim foi em 2000, 2003, 2005, 2008, 2010, 2016 e em 2020. Por Vera de Melo.

Brindar às intenções de ano novo e comer as célebres passas é um ritual que afasta angústias, teoricamente renova a esperança no amanhã, mas, infelizmente, nada muda. Mudar só depende mesmo de si e da sua vontade, por isso, este ano proponho-lhe entrar em 2020 com o pé esquerdo. Por Vera de Melo.

Por vezes, a saudade pode ser de tal forma profunda que leva à síndrome de Ulisses, uma alusão a Ulisses que no regresso a casa teve de enfrentar a solidão, o medo e a tristeza ao naufragar e ficar preso durante anos numa ilha. Por Vera de Melo.