Vera de Melo – Psicologia

Psicóloga clínica. Escreve quinzenalmente à quinta-feira.

A competitividade faz parte da personalidade humana, mas há quem a leve ao extremo, os agressivos competitivos. Por Vera de Melo.

É o homem do momento, todos os holofotes estão virados para si, falo obviamente de Ivo Rosa, o Juiz que só aceita o irrefutável. Por Vera de Melo.

Tecla-se demais, fala-se de menos. O resultado, esse é assustador. Vive-se de perceções, de suposições acerca da realidade e das pessoas que nos rodeiam. Os conflitos, uns camuflados, outros evidentes, são inúmeros, pois nada é clarificado, nada é falado, tudo é teclado. Perde-se as expressões faciais, o tom de voz, a real intenção da comunicação. Por Vera de Melo.

Um mundo empresarial sem idiotas é tão improvável quanto impossível. A sociedade transformou-se num aeroporto de idiotas, a cada dia aterra mais um avião lotado. Mas porque há tantos chefes Idiotas? Por Vera de Melo.

Quem como eu está cansada de diariamente conviver com profissionais que fazem tudo pela metade? Reclamam que não ganham o que merecem, que não recebem elogios ou, mesmo, são pouco valorizados pela sua chefia. Por Vera de Melo.

Tem pequenos habitantes noturnos na sua cama? A meio da noite sente que a sua cama ficou mais pequena e não cabe lá? Siga estas sete dicas para a sua cama ser só sua. Por Vera de Melo.

Com o aparecimento das redes sociais, colecionam-se vários momentos de felicidade meramente ilusória. A cada segundo alguém posta uma imagem de um momento ilusoriamente feliz. A casa maravilhosa, os filhos perfeitos, o corpo escultural, o trabalho excecional, a praia paradisíaca, meras simulações de uma vida esplendorosa, justamente para preencher a falta de uma vida. Por Vera de Melo.

Vivemos tempos muito difíceis. Nunca o valor da vida e da liberdade foi tão falado, valorizado e ansiado. Por Vera de Melo.

Estamos na primeira semana do ano, mas estará o otimismo elevado acerca dos mais de 350 dias que se avizinham? Por Vera de Melo.

Foi um ano desafiante, levou-nos a equacionar o valor da vida e da liberdade. Mudança foi a palavra de ordem, nada será como era antes, a realidade está diferente, cada um de nós está diferente, por isso, terá de ser um Natal, também ele necessariamente diferente. Por Vera de Melo.