Isabel Guimarães – astrologia

Astróloga, presidente da Associação Portuguesa de Astrologia e diretora da FacesIsabelGuimarães. Autora dos livros ‘AC – Acreditar ou Conhecer a Astrologia’, 'Guia de Interpretação Astrológica em 22 passos' e 'Como Fazer Previsões Astrológicas'. Escreve quinzenalmente à segunda-feira.

A astronomia é indispensável para a astrologia, para compreendermos os movimentos de rotação, de translação e da precessão dos equinócios, bem como as fases da lua, os eclipses, etc.. Por Isabel Guimarães.

Ao longo do ano de 2017 temos assistido a ações pautadas pela determinação e estrutura, conferidas pelo posicionamento do planeta Saturno em Sagitário, num cenário onde as lutas, medos e limitações expandem-se pela força da fé. Por Isabel Guimarães.

Saiba mais sobre o mundo completo da astrologia e sobre a interdependência dos vários elementos. Por Isabel Guimarães.

Os movimentos do sol e a sua relação com a astrologia. Por Isabel Guimarães.

Seguindo o tema ‘Estudar Astrologia: conhecer as raízes da tradicional e adaptação à moderna’, falamos hoje da importância em ambas as linhagens das regências planetárias e dos seus domicílios. Por isabe Guimarães.

Seguindo o tema 'Estudar Astrologia: conhecer as raízes da tradicional e adaptação à moderna'. Para podermos ligar ao palco onde tudo isto funciona, ou seja, os planetas e os signos compondo a história, precisamos saber de onde surge a ideia das Casas Astrológicas. Por Isabel Guimarães.

A forma como começamos a estudar astrologia envolve as consequências da forma como vamos atuar como profissionais da área. (Parte 1). Por Isabel Guimarães.

Para uma total compreensão das casas astrológicas, precisamos de olhá-las como um todo: nenhuma das áreas de vida ali representadas faz sentido se não tomarmos em conta todas as outras. Por Isabel Guimarães.

As ocultações dos astros são frequentes e, ainda que possamos ver eclipses de Vénus, no nosso mundo mais próximo, o que na prática conhecemos como eclipses são os do Sol e da Lua. Por Isabel Guimarães.

Os textos mais antigos a que podemos aceder testemunham o interesse dos nossos antepassados pelo tempo, pelos ciclos que o ritmam e pelo lugar do Homem no cosmo. Por Isabel Guimarães.