Home»FOTOS»Startup portuguesa lança campanha internacional de sensibilização para combater o estigma da idade

Startup portuguesa lança campanha internacional de sensibilização para combater o estigma da idade

Em 2050 haverá mais idosos do que crianças e jovens menores de 15 anos. A campanha #noagecampaign é um projeto da Just Happy Days com o apoio da Universidade do Porto e integra nomes como Carlos Coelho, Cláudia Jacques ou Eugénio Campos.

Pinterest Google+
PUB

De acordo com dados da ONU (Organização das Nações Unidas), em 2050 haverá em todo o mundo 2 mil milhões de pessoas com mais de 60 anos. Desse total, 3,2 milhões serão centenários, sendo que nessa altura haverá mais idosos do que crianças e jovens menores de 15 anos. É desta perspetiva que nasce o projeto internacional de sensibilização #noagecampaign, lançado pela startup portuguesa Just Happy Days. Um projeto que conta com a parceria da Universidade do Porto (U.Porto), através da Porto4Ageing (Centro de Competências em Envelhecimento Ativo e Saudável), e que acaba de ser lançado nas redes sociais e divulgado internacionalmente para órgãos de comunicação social de todo o mundo.

 

A campanha conta com a participação de oito profissionais, entre os 46 e os 76 anos, que dão corpo a toda a história. São eles António Gonçalves (76 anos, empresário de moda), Carlos Coelho (55 anos, criador de marcas), Cláudia Jacques (55 anos, relações públicas), Elsa Carvalho (46 anos, empresária e editora de moda), Eugénio Campos (56 anos, empresário e joalheiro), Gisela Pereira (73 anos, reformada do consulado alemão), Nídia Freitas (76 anos, professora reformada e copy desk) e Vasco Ribeiro (46 anos, professor universitário). Conta ainda com a colaboração de 18 alunos da U.Porto originários de oito países que, entrevistados por uma psicóloga da Faculdade de Psicologia da U.Porto, dão primeiro a sua visão do envelhecimento, analisando depois as imagens dos oito protagonistas. Veja o vídeo abaixo e imagens na galeria acima.

 

 

O projeto #noagecampaign pretende sensibilizar as gerações para esta questão, fomentando a discussão transgeracional suportada por casos reais. E surge no arranque da década 2020-2030, que tem como tema prioritário definido pela ONU – através da Organização Mundial de Saúde – precisamente o envelhecimento saudável.

 

O projeto terá comunicação internacional em mais de 30 países dos cinco continentes, através de parceria estabelecida com a IPRN – International Public Relations Network, uma das maiores organizações mundiais de agências de comunicação independentes.

 

Durante os próximos dois meses, a campanha irá explorar os oito casos individualmente, lançando novas pistas e ideias para um debate global que se pretende cada vez mais permanente. O objetivo é alertar para a urgência de abraçar o desafio da evolução demográfica, beneficiando dos contributos que a população mais velha proporciona à sociedade.

 

VEJA TAMBÉM: A FÓRMULA PARA VIVER ATÉ AOS 100 ANOS

 

Para Elsa Carvalho, fundadora e editora de moda de Just Happy Days, «a #noagecampaing é uma ação de uma startup que atua num dos setores que mais tem contribuído para o estigma da idade: o da moda». E sublinha: «Mas este está longe de ser um problema exclusivo desta indústria. Qualquer pessoa com mais de 45 anos em situação de desemprego, por exemplo, sente atualmente uma forte resistência e até discriminação por parte do mercado. Um problema que se acentua a cada ano que passa».

 

A Just Happy Days é uma startup portuguesa fundada em 2018. Trata-se de um multibrand web shop em língua inglesa, que proporciona aos utilizadores uma experiência global de compra, através de mais de 30 lojas físicas que têm em justhappydays.com a sua loja virtual, como CR7 Underwear, Eugénio de Campos, entre outras. De vocação internacional, atingiu uma penetração significativa em diferentes geografias, sendo que o perfil de seguidores é maioritariamente feminino e os principais mercados são Indonésia, Angola, Brasil e Portugal, tendo ainda expressão em países como Índia, Vietname, EUA ou Espanha.

 

Artigo anterior

As dietas detox pós-festas resultam? Nutricionista fala em poucas evidências

Próximo artigo

Afinal comer massa não engorda!