Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia alerta para impacto dos antibióticos na microbiota intestinal

Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia alerta para impacto dos antibióticos na microbiota intestinal

Os antibióticos eliminam as bactérias responsáveis pelas infeções, mas também as outras que habitam o nosso organismo, desequilibrando a microbiota intestinal e podendo promover o aparecimento de várias doenças. Semana Mundial de Consciencialização Sobre o Uso de Antibióticos decorre de 18 a 24 de novembro.

Pinterest Google+
PUB

A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) associa-se à Semana Mundial de Consciencialização Sobre o Uso de Antibióticos, promovida pela Organização Mundial de Saúde, com o lançamento de uma campanha de sensibilização sobre o impacto dos antibióticos na microbiota intestinal (*). O objetivo é alertar a população para o uso responsável dos antibióticos, que só devem ser tomados por prescrição médica e de preferência seguido da toma de probióticos, ajudando a evitar o desequilíbrio da microbiota intestinal.

 

Os antibióticos, essenciais no combate às infeções bacterianas, salvam muitas vidas. Contudo, combatem tanto as bactérias nocivas como as que têm funções importantes para o normal funcionamento do organismo e que se encontram, na sua grande maioria, no nosso intestino.

 

VEJA TAMBÉM: TOME ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL

 

No caso do intestino, a eliminação das bactérias “boas” pode levar ao desequilíbrio da microbiota intestinal (disbiose) e ser um “gatilho” para o desenvolvimento de outras doenças alérgicas e do Aparelho Digestivo.  A asma, a obesidade, a doença de Crohn e a Síndrome do Intestino Irritável são doenças que atingem milhões de pessoas e onde a evidência científica demonstra que existe uma forte relação entre elas e a disbiose.

 

«Quando a toma do antibiótico é necessária, o tratamento indicado pelo médico poderá ter de incluir, em simultâneo, um probiótico, para evitar a disbiose», sublinha Rui Tato Marinho, presidente da SPG, que acrescenta que «os probióticos têm na sua constituição bactérias vivas, com benefícios para a saúde, desde a manutenção do equilíbrio do aparelho digestivo bem como a regulação do sistema imunitário, compensando agressões externas como o stress, a má alimentação ou toma dos antibióticos. Existem probióticos que, por serem resistentes aos antibióticos, apresentam um benefício comprovado na prevenção e tratamento da disbiose». E conclui que «não devem ser tomados antibióticos desnecessariamente, uma vez que as infeções virais não se tratam antibióticos».

 

VEJA TAMBÉM:  EM 2050, RESISTÊNCIA AOS ANTIBIÓTICOS MATARÁ MAIS DO QUE O CANCRO

 

A campanha de sensibilização, “Saúde Digestiva by SPG”, que inclui um filme sobre o tema, decorre durante os meses de outono e inverno, época do ano em que os antibióticos são mais frequentemente prescritos.

 

*A microbiota humana corresponde a todos os microrganismos que colonizam o nosso organismo e com os quais convivemos diariamente: bactérias em grande parte, mas também vírus, fungos, leveduras e protozoários. A sua composição difere de acordo com as superfícies colonizadas, ou seja, existe a microbiota cutânea, a vaginal, a urinária, a respiratória, a da cavidade oral e a microbiota intestinal, anteriormente denominada como flora intestinal. No intestino vivem connosco 100 triliões de bactérias.

 

Artigo anterior

Viver melhor com doença pulmonar obstrutiva crónica

Próximo artigo

10 hábitos que prejudicam os dentes e o sorriso