Home»GLAMOUR»BELEZA»Simplificar a oculoplástica: as cirurgias oculares

Simplificar a oculoplástica: as cirurgias oculares

A contínua utilização das máscaras veio trazer mais enfoque ao olhar e acabamos por dar mais atenção ao envelhecimento das pálpebras, à queda progressiva das sobrancelhas, às rugas à volta dos olhos, ou seja, damos atenção à estética periocular no seu conjunto.

Pinterest Google+
PUB

Neste sentido, irei falar da oculoplástica, uma área da cirurgia plástica facial da qual fazem parte diversas cirurgias, com intervenções cirúrgicas e não cirúrgicas nas pálpebras, na posição das sobrancelhas e no volume facial periocular, que vão ajudar a função visual e no conforto.

 

Estes problemas oculares podem ser congénitos (já nascemos assim), marcados por questões genéticas ou sobretudo ocorrer com o avançar da idade. Existem inúmeros pormenores que podem ser melhorados com estas técnicas e estou a falar de pele em excesso nas pálpebras, as bolsas de gordura na zona das olheiras, a descida das sobrancelhas, os olhos encovados e cansados.

 

VEJA TAMBÉM: UM NOVO OLHAR COM BLEFAROPLASTIA

 

Pálpebra flácida e caída

Falando neste primeiro caso, o da pálpebra flácida e caída, a cirurgia mais indicada dentro da oculoplástica é a blefaroplastia, a cirurgia das pálpebras que elimina o excesso de pele na parte superior ou inferir ou em ambas.

 

É mais habitual devido ao envelhecimento já que a pele perde elasticidade (colagénio) e torna-se mais flácida. A nível ocular, as pálpebras superiores podem tornar-se mais pesadas e, com isto, a pessoa tem de se esforçar para manter os olhos abertos tendo ainda a consequência de levar a uma aparência mais cansada e pesada.

 

Há também casos (como este exemplo abaixo) que não foi o fator da idade, mas sim da genética a influenciar, dado que é uma jovem mulher e que aparentava um olhar mais pesado e cansado devido à flacidez da pálpebra superior.

 

Na imagem, é possível verificar que, após a blefaroplastia com remoção da pele superior excessiva, o problema fica resolvido devolvendo o olhar rejuvenescido a condizer com a idade da paciente.

 

Pálpebras assimétricas

Os casos de pálpebras assimétricas também são corrigidos através da blefaroplastia. Estou a falar de situações em que a pessoa pode ter uma pálpebra mais comprida do que a outra, fazendo com que haja uma diferença bastante visível entre os dois olhos.

 

Em ambos os casos, a cirurgia da blefaroplastia para correção das pálpebras dura em média uma hora e é realizada com anestesia local.

 

Ectropion senil

Um outro caso é o ectropion senil, um afastamento dos tecidos que estabilizam as pálpebras inferiores de um ou ambos os olhos, devido à flacidez das pálpebras.

 

Num caso concreto, por exemplo, o canto externo do olho pode estar evertido e inflamado e a ocorrência de inflamações oculares ser frequente devido à contínua exposição da parte interna do olho e da pálpebra.

 

Para reverter esta situação, é realizado um procedimento cirúrgico da oculoplástica chamado tarsal strip, que leva a uma reposição da pálpebra tendo como consequência um conforto ocular imediato e deixando de haver inflamações oculares.

 

Estes são alguns dos procedimentos mais comuns dentro da oculoplástica, contudo há ainda outros tipos de cirurgias. Caso padeça de um problema ocular, aconselho a marcação de uma consulta de avaliação por um cirurgião plástico especializado, para melhor diagnosticar o seu problema e definir a melhor forma de o resolver.

 

Artigo anterior

Soft skills: 20 qualidades de um grande líder

Próximo artigo

Instinto ou cultural? O beijo vale mais do que mil palavras