Sim mas…

Pinterest Google+

Uma das coisas que os fundadores da PNL (Programação Neuro Linguística), Richard Bandler e John Grinder, notaram desde o início foi que as pessoas bem-sucedidas no que faziam tinham em comum o facto de comunicarem de forma excelente, e a excelência da sua comunicação passava em grande medida por fazerem uso consciente da linguagem.

 
Já no seu livro 1984, o escritor George Orwell dizia que “se o pensamento pode influenciar a linguagem, a linguagem também pode influenciar o pensamento”. Queria ele dizer que o modo como falamos é determinante para a forma como estruturamos o nosso pensamento.

 

Assim, vamos lá falar de exemplos práticos e também de algumas sugestões que, quiçá, poderão fazer alguma diferença na nossa vida!
 

Comecemos por uma pequena palavra que é usada com muita frequência e que, eu diria, é infelizmente usada de forma errada, ou melhor, de forma a que não produz o resultado que inicialmente pretendíamos. Essa palavra é “mas”.

 
Já reparou na quantidade de vezes que as pessoas usam o “mas” de formas idênticas a estas: “Sabes que eu gosto muito de ti mas…”, “O sr. Alberto é um excelente canalizador mas por vezes…”, “Eu acho que desenhas muito bem mas…”

 
Estou certo de que já disse e já ouviu muitas frases deste género e por isso gostaria de lhe propor que fizesse uma breve introspecção aos momentos em que ouviu algo assim. Imagine que completou um projecto ou uma tarefa que lhe foi pedida pelo seu chefe e criou expectativas quanto ao resultado. No momento de ouvir o feedback o seu chefe começa por dizer algo como “Gostei muito do seu trabalho, mas…” No momento em que ele disse “mas” o que se passou na sua cabeça? Eu não estou lá, mas atrevo-me a sugerir que terá sido algo como “Ok o que é que fiz de errado?” ou “Já fiz disparate e aí vem bomba!”. E porque é que isto acontece? Porque esta palavra tem um efeito exclusivo, ou seja, ela exclui tudo o que foi dito anteriormente. E não é a única que produz este efeito. Outras palavras como “porém”, “contudo”, “no entanto” produzem um efeito idêntico.

Artigo anterior

Mercado em Lisboa para mães se desfazerem de roupa dos filhos

Próximo artigo

Trabalhar em casa: vantagens e desafios