Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Sexting está a aumentar entre os adolescentes

Sexting está a aumentar entre os adolescentes

Uma meta análise com mais de 100 mil jovens de vários países concluiu que a troca de mensagens de cariz sexual é cada vez mais frequente junto dos menores de 18 anos. A pesquisa realizada por uma universidade canadiana revela que ainda não são claras as repercussões futuras desta prática.

Pinterest Google+
PUB

Um em cada quatro jovens menores de 18 anos (27,4%) recebe mensagens de sexting e um em cada sete (14,8%) envia este tipo de mensagens de caracter sexual, conclui uma meta análise que congregou dados de 39 estudos e reuniu Infomações de 110.380 estudantes.

 

Especial preocupação, revela o estudo, é a prevalência de sexting não consensual, com 12,5% (um em cada oito) de jovens a relatar que enviaram um ‘sext’.

 

VEJA TAMBÉM: QUE SEGREDOS ESCONDE O CÉREBRO DOS ADOLESCENTES?

 

Segundo o estudo realizado pela Universidade de Calgary, Canadá, a partilha de conteúdo de carater sexual está a tornar-se numa prática comum entre os jovens, pelo que é necessário aferir sobre as idades em que se faz sexting e integrar o tema na educação sexual, uma vez que ainda não são claras as suas repercussões futuras.

 

«A literatura existente sobre sexting entre jovens mostra que esta prática é um preditor de comportamento sexual e pode estar associada a outras questões de saúde e a comportamentos de risco. No entanto, continua a haver falta de consenso sobre a prevalência do sexting, informação essa necessária para tecer futuras pesquisas, intervenções e desenvolvimento de políticas», pode ler-se no estudo publicado no jornal médico JAMA.

 

VEJA TAMBÉM: QUARTO DE ADOLESCENTE: AGRADAR E A GREGOS E A TROIANOS

 

O estudo compilou dados ente 1990 e 2016 de vários países de todos os continentes e incluiu conteúdos em mensagem, fotografia e vídeo. E embora se torne claro que o sexting entre os adolescentes está a aumentar, não é clara a prevalência de algum sexo. Uns estudos aferiram que as jovens eram mais propensas a enviar este tipo de mensagens e outros não revelam diferenças ente os sexos. Outros evidenciam que os rapazes são mais propensos e receberem e a solicitarem este tipo de conteúdo, revela a pesquisa.

 

Os dados apurados estão também relacionados com a idade com que os jovens recebem um smartphone. A média apurada atualmente é aos 10,3 anos. Porém, existe pouca informação sobre sexting abaixo dos 12 anos.

Artigo anterior

Alojamentos (um pouquinho) diferentes para as próximas férias?

Próximo artigo

Maioria dos portugueses prefere sexo oral como preliminar