Home»LAZER»DICAS & VIAGENS»Setúbal, uma cidade entre o verde da serra e o azul do rio

Setúbal, uma cidade entre o verde da serra e o azul do rio

Aconchegada pela Serra da Arrábida, banhada pelo rio Sado e de frente para as águas do Atlântico, Setúbal é geograficamente uma cidade privilegiada. Nasceu destes três grandes valores que são a serra, o rio e o mar, não surpreendendo, por isso, que haja vestígios de ocupação humana desde tempos pré-históricos.

Pinterest Google+
PUB

«Onde é que existe um rio azul igual ao meu; Que em certos dias tem a mesma cor do céu…» O refrão da música ‘Rio Azul’ evoca aquele que é um dos ex-libris de Setúbal, o rio Sado, que juntamente com a Serra da Arrábida aconchega uma cidade de olhos postos no Atlântico.

 

A cerca de 40 quilómetros a sul de Lisboa, Setúbal é a terceira maior cidade de Portugal, mas ainda assim é tranquila, calma, onde facilmente se atravessa a cidade de uma ponta à outra.

 

Está virada de frente para a Península de Troia, completando um quadro digno de postal. Natureza, história, localização e gastronomia são alguns dos seus principais atrativos. Difíceis de igualar, dizemos. Veja algumas imagens na galeria acima.

 

Abençoada pela natureza

O Parque Natural da Arrábida é uma surpresa para todos os que o visitam. É uma imensidão de vários tons de verde que caem sobre os tons também eles verdes e azuis do mar. Pontuado por praias idílicas e enseadas secretas, simboliza o encontro pacífico, natural e protegido entre a terra e o mar. As suas praias escondidas no meio da vegetação oferecem um cenário singular.

 

A Arrábida é um local de grande diversidade de espécies de fauna e de elevado interesse botânico devido à composição da sua vegetação. No sopé da serra, estão as praias: Albarquel, Figueirinha, Galápos, Galapinhos, Coelhos, Creiro e Portinho. As águas são serenas e cristalinas, favorecendo a observação de espécies marinhas.

 

Sendo uma zona protegida, facilmente se observam, em áreas mais recônditas, berçários de várias espécies. Pequenos polvos e peixes, linguados a fugir no fundo do mar e cardumes vários cruzam-se com os banhistas que mergulham nestas águas frescas. As suas praias são, sem dúvida, das mais belas de Portugal e da Europa, tendo já recebido prémios internacionais

 

Banhada pelo Sado, Setúbal tem como vizinhos acarinhados os golfinhos roazes, sendo atualmente o único local em Portugal Continental que alberga uma comunidade destes belos mamíferos do mar. No Estuário do Sado vive uma comunidade de 27 roazes corvineiros, sendo uma das três únicas colónias residentes em estuários em toda a Europa.

 

Entrando pelo Estuário do Sado, aqui encontram-se muitos outros animais característicos: pernas-longas, flamingos, águias-sapeiras ou cegonhas-brancas. Este é um ecossistema vivo de elevada sensibilidade ecológica e de grande potencial turístico em respeito pela natureza. Pode visitar o Moinho de Maré da Mourisca, que representa um testemunho secular de como o homem adaptou as forças naturais em proveito próprio. Pode também fazer passeios pedestres pela vasta área do estuário ou observar os golfinhos no desaguar do rio.

 

Os símbolos de Setúbal

Setúbal tem esta natureza única que a envolve, mas também uma oferta cultural e gastronómica que herda da sua riqueza histórica e antiguidade. Vamos dar-lhe conta de alguns.

 

O Convento de Jesus, no Largo de Jesus, é uma edificação de estilo gótico que data de 1494, sendo considerado um dos primeiros exemplos do estilo manuelino, que se caracteriza por ser uma variação do gótico ‘à portuguesa’ com simbologia do poder régio. Merece uma passagem por lá.

 

Passemos ao forte de S. Filipe. Esta edificação localizada no cimo da montanha oferece uma vista panorâmica inigualável. A sua localização privilegiada de observação valeu-lhe a primeira edificação como estrutura defensiva em 1325 e foi sempre sendo reaproveitada. Atualmente alberga uma pousada, onde pode pernoitar ou fazer refeições. Se procura fotos sobre a cidade, é aqui que se deve dirigir.

 

Setúbal é uma cidade de pescadores.  E nada melhor do que um passeio pelo Mercado do Livramento, na Avenida Luísa Todi, para sentir o ADN da cidade. Por lá encontra peixe, fruta, queijos, pão, flores… tudo produtos da região que enchem as bancas e são um espetáculo digno de olhar. Mas se quiser ir ainda mais além, visite a Doca dos Pescadores e assista ao descarregar e venda do peixe na lota.

 

Realmente, Setúbal é tradicionalmente uma cidade de pescadores, mas também de operários. Por isso, uma visita ao Museu do Trabalho Michel Giacometti deverá fazer parte do roteiro. Aberto desde 1985, mostra exposições permanentes sobre a indústria conserveira, que muito moldou a cidade, e o mundo rural da região.

 

Imperdível será fazer um passeio pela estrada que serpenteia pela Arrábida. Aí, procure o Convento da Nossa Senhora da Arrábida. Fica meio escondido entre as árvores e virado para o mar. Data do século XVI para servir de abrigo a monges franciscanos eremitas que usavam as suas torres de vista deslumbrante para profundas meditações. A sua livraria alberga livros preciosos.

 

Cidade do poeta Bocage (1765-1805), tem na praça dedicada a este escritor arrojado um dos seus principais símbolos, para onde confluem várias artérias de comércio da baixa de Setúbal.

 

O monumento que se ergue em sua honra desde 1871 é feito de mármore branco. Bocage, com a cabeça descoberta e levemente inclinada, vestido à sua época, empunha na mão direita uma pena de ave e segura na esquerda algumas folhas de papel.

 

A par do poeta, a cantora lírica Luisa Todi (1753 – 1833) é outro dos nomes da cidade. Dá nome à principal avenida de Setúbal. Com uma capacidade invulgar de cantar com a maior perfeição e expressão em português, francês, inglês, italiano e alemão, é considerada a meio-soprano portuguesa mais célebre de todos os tempos.

 

Comer e beber

A visita já vai longa e é hora de comer qualquer coisa. E o que é típico em Setúbal? Todo o tipo de peixe assado: sardinhas, carapaus, besugos, peixe espada… e, claro, o famoso choco frito, servido em sandes ou com batata frita e salada.

 

Há por todos os restaurantes espalhados pela cidade. Prefira as tiras mais fininhas e crocantes. Fica a dica. São deliciosas.

 

 

Mas há mais. Sabe o que está de volta à cidade? As ostras. Desaparecidas durante décadas devido à poluição das águas por metais pesados e também devido à morta maciça em toda a Europa, estão agora de volta à mesa dos setubalenses ao serem novamente produzidas no Estuário do Sado, entretanto recuperado.

 

A acompanhar os pratos típicos, os vinhos da região. Setúbal tem uma intenção tradição de vinhos, com inúmeras adegas a produzirem, seja branco, tinto, verde ou o famoso moscatel de Setúbal.

 

Este último acompanha bem com uma bolacha Piedade, criadas em 1855 e exclusivas de Setúbal, ou uma torta de Azeitão à sobremesa. Boa viagem…

 

Veja imagens na galeria no início do artigo.

 

Artigo anterior

Devo ou não fazer depilação a laser no verão?

Próximo artigo

Sumo anti-oxidante com curcuma