Home»LAZER»DICAS & VIAGENS»Sesimbra, um paraíso plantado entre a serra e o mar

Sesimbra, um paraíso plantado entre a serra e o mar

Dentro do Parque Natural da Serra da Arrábida e protegida com uma baía com águas calmas e serenas, o município de Sesimbra é o local ideal a visitar tanto pelos amantes da natureza como por aqueles que querem relaxar perto do mar. Enquanto aqui estiver, não se esqueça de visitar o melhor que esta região tem para oferecer e faça memórias que irão perdurar, pelo menos, até às próximas férias.

Pinterest Google+

Sesimbra é uma conhecida estância balnear que fica a cerca de 30 quilómetros de Lisboa. Esta vila piscatória é conhecida pelas suas praias e bom peixe. O peixe-espada preto, pescado nas águas profundas junto ao Cabo Espichel, pode ser encontrado em peixarias de todo o país e reforça o slogan “Sesimbra é Peixe”, criado pela Câmara Municipal de Sesimbra. Clique na galeria acima para ver algumas fotos.

 

Esta região, que tem cerca de 194,98 quilómetros quadrados, está inserida no Parque Natural da Serra da Arrábida. Como tal, não se admire se no campo encontrar algum javali ou uma cotovia, ave que dá nome a uma das localidades que fazem parte do concelho de Sesimbra. A vila é também banhada por um mar calmo e com um profundo azul que se funde com o céu.

 

Falando em céu. A grande parte do concelho é plano, mas existem algumas elevações onde em dias sem nuvens pode contemplar a Costa da Caparica (que fica a 25 quilómetros) e até Lisboa (que fica a 30 quilómetros). O concelho de Sesimbra é composto pelas freguesias da Quinta do Conde (que tem uma grande população jovem), Castelo e Sesimbra.

 

VEJA TAMBÉM: QUINTA DO PISÃO, UM PASSEIO PELA NATUREZA ÀS PORTAS DE LISBOA

 

A ligação do concelho de Sesimbra ao restante distrito de Setúbal é feita por duas ligações mas aqueles que vem de Lisboa costumam apanhar uma estrada que os locais designam como Apostiça. Esta é uma herdade de grandes proporções e que tem uma das principais fontes de água potável da região, que é maioritariamente virada para mar.

 

Só que antes de alcançar as tão aguardadas praias e se quiser conhecer um pouco da fauna e flora da Serra da Arrábida pode visitar o Sesimbra Natura Park. Ao longo dos 867 hectares que compõem este parque poderá usufruir de um profundo contacto com a natureza envolvente. Aqui poderá fazer canoagem (mas se preferir fazer em mar alto também é possível. Basta ir até ao Clube Naval, em Sesimbra), jogar paintball, andar de bicicleta ou observar os pássaros (as gaivotas, os pintassilgos ou chapim-de-poupa são algumas das aves que podem ser aqui vistas) são algumas das atividades que podem ser feitas no Sesimbra Natura Park.

 

Continuando a falar sobre parques. Se preferir algo mais perto da população, o parque Augusto Pólvora (este parque deve o seu nome ao antigo presidente da Câmara, Augusto Pólvora), na Maçã, é o local ideal para si. Este parque, que anteriormente era utilizado por campistas que aqui vinham passar férias, é utilizado pelos locais, no verão, como uma alternativa às praias cheias de turistas. Este parque, que conta com um conjunto de sombras refrescantes, tem um circuito para aqueles que queiram praticar exercício físico, um campo de jogos, mesas para quem queira fazer picnics e uma representação de um Braquiossauro (os adultos tinham entre os 26 e os 30 metros).

 

VEJA TAMBÉM: OSTRAS, O SUPERALIMENTO QUE ESTÁ DE VOLTA AO SADO 

 

Os primeiros seres a ‘povoarem’ esta região foram os dinossauros. No Monumento Natural da Pedreira do Avelino, que fica na zona do Cabo Espichel, temos as provas desta passagem. Nas jazidas de icnofósseis desta antiga pedreira é possível encontrar cinco pegadas de Saurópodes (o Braquiossauro é um dos membros desta família). Mas a presença dos dinossauros não se sente só nesta pedreira. O Município de Sesimbra tem três grandes festas religiosas e a história por detrás de uma delas está intimamente ligada aos “dinossauros”.

 

O culto da Nossa Senhora do Cabo é datado de 1366 e até às aparições em Fátima foi a maior festa religiosa do país, atraindo até à zona do Cabo Espichel várias gerações da família real portuguesa e ligando as duas margens do Tejo através dos Círios. Na zona da Pedra da Mua, onde temos a “pegada” que foi atribuída a Nossa Senhora, que subiu a falésia montada numa mula, mas na realidade era de um dinossauro, foi construído o complexo religioso do Cabo Espichel.

Artigo anterior

Mulheres no Café: o tema do Dia Internacional do Café

Próximo artigo

Estudo explica porque certas músicas não nos saem da cabeça