Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Sentir a tristeza é essencial à vida

Sentir a tristeza é essencial à vida

“Conheço quem nunca se sinta triste.” Parece-lhe bem? Pense melhor.

Pinterest Google+

Não são pessoas com uma vida sem razões que provoquem sofrimento, nem que dominam a arte de ver o copo sempre meio cheio. Simplesmente assumiram uma postura de não pensar e ignorar as situações que possam causar mal-estar, desresponsabilizando-se de todo o problema.

 

Amigos complicados? Corta-se com eles. Casamento turbulento? Passa-se menos tempo dentro de casa e culpa-se o parceiro de todos os problemas. Filhos complicados? Os avós não se importam de cuidar ao fim-de-semana – “sou forte e não me sujeito ao que não gosto”!

 

É uma estratégia que a curto prazo evita encarar os problemas e adiar o sofrimento, mas infelizmente não temos o poder mágico de anular coisas da vida se as eliminarmos do pensamento. Talvez possa ter funcionado algumas vezes quando se tinha 6 anos e as explicações tinham base na imaginação, sem considerar questões de lógica.

 

Sentir tristeza não é masoquismo: é assumir-se a responsabilidade da própria vida.

 

Os sentimentos são essencialmente indicadores do resultado das nossas atitudes, e se em determinado momento nos sentimos tristes é sinal de que há alguma situação da nossa vida que precisa de intervenção. Podemos nem ser totalmente responsáveis pelo que aconteceu, mas certamente temos a responsabilidade de cuidar da nossa vida.

 

A força de caráter não se mede pela coragem de lidar com as emoções e as suas causas. Ignorar os sentimentos não é força, é cobardia.

 

Artigo anterior

Programa Erasmus bate recordes de participação revela CE

Próximo artigo

Pastas branqueadoras não branqueiam, diz DECO