Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Saturno: limitações da vida

Saturno: limitações da vida

O glifo de Saturno compõe-se dos mesmos dois elementos de Júpiter, porém as duas partes do símbolo são invertidas. Assim, pode ver-se que é através das lições de Saturno que o Homem aprende como harmonizar a sua imaginação (o semicírculo) com as circunstâncias imediatas de sua vida (a cruz).

Pinterest Google+

Os raios de Saturno relacionam-se com a Terra. Eles exigem que o indivíduo passe através das provas da existência material, antes de lhe ser permitida a entrada no reino da Alma e no resultante estado exaltado de consciência.

 

Neste sentido, Saturno simboliza a estrutura de valores que conduzem ao crescimento evolucionário. Deste modo, este planeta é a “ponte” entre as forças da consciência universal – os planetas extra-saturninos (Úrano, Neptuno e Plutão) – e as forças da existência material e o Eu pessoal – os planetas inter-saturninos.

 

O “Senhor dos Anéis”, Saturno, é o último planeta visível a olho nu no sistema solar e relaciona-se com o “choque de realidade” dos limites tangíveis que nos impomos, e que a vida nos impõe. De certo modo é também o nosso “bom senso”, aparentemente restritivo, mas que nos leva a delimitar de modo coerente as metas e objetivos concretos de vida. Numa subida de montanha, obstáculos e resistências são escarpas no caminho para a elevação da consciência que colocam em evidência nossa obediência, o autocontrole, a congruência e as convicções morais. É “cão pastor de ovelhas” que tem o controle e mantém a ordem no sistema.

 

Saturno é a resiliência, o poder de concentração e a resistência, a responsabilidade, o esforço contínuo e determinado, a preparação, a severidade, a austeridade, a seriedade, a disciplina, a cautela e a reserva.

 

Saturno tem sido muito denegrido, devido a uma incompreensão acerca do seu propósito. Foi chamado de “grande maléfico” e, como Satã, transformou-se no bode expiatório para as energias não regeneradas do Homem. Contudo, Saturno e Satã são apenas as formas projetadas pelas tentações do eu inferior. É pela geração de força suficiente para superar essas tentações, através da autodisciplina, da limitação e redireccionamento do desejo, que ocorre o progresso evolucionário. Esta concentração na polaridade – “Deus” versus “Satã”, o “bem” contra o “mal” – apenas fortifica a desarmonia. Uma das tarefas do Homem é penetrar num plano de consciência isento de dualidade, a fim de que possa ver a unidade e harmonia, na estrutura do Plano Universal. Aí compreenderá que a aparente dicotomia entre os chamados bem e mal não passa de uma ferramenta conduzindo a um estado de equilíbrio perfeito, transcendendo os dois polos. É neste sentido que o Homem precisa perceber a função de Saturno no mapa.

 

Num senso mais pragmático, Saturno força o cumprimento de obrigações e responsabilidades, a fim de que possa ocorrer o desenvolvimento pessoal. A sua posição no signo, na Casa e os aspetos apontam o caminho para as lições necessárias, bem como o grau e natureza da autodisciplina ou a sua falta. No corpo físico, Saturno rege a pele, joelhos, dentes e ossos, sendo intimamente relacionado com os órgãos da audição.

 

Saturno é o regente de Capricórnio e coregente de Aquário. Também está associado às questões das Casas X e XI. Relaciona-se com todas as ocupações ligadas a edificações e arquitetura, bem como a negócios bancários, a finanças, a funcionários públicos e pessoal de supervisão. É associado a pessoas mais velhas, aos avós.

Isabel Guimarães
isabel guimaraes
Artigo anterior

Dicas para se levantar mais rápido da cama

Próximo artigo

Dieta para quem não tem tempo (pequenos truques que podem ajudar)