Home»VIDA»SOCIEDADE»São Martinho: mitos e lendas da época da jeropiga e da castanha assada

São Martinho: mitos e lendas da época da jeropiga e da castanha assada

No dia 11 de novembro, celebra-se o Dia de São Martinho por todo o país. Em jeito de comemoração, contamos-lhe a lenda e os mitos associados a esta festa.

Pinterest Google+

O Dia de São Martinho, conhecido por ser o dia em que reúnem familiares e amigos para beber ‘um copinho’ de jeropiga ou água-pé acompanhando as famosas castanhas assadas, tem muitos segredos escondidos e mitos por desvendar.

 

São Martinho, ou Martinho de Tours, nasceu em 316 na cidade de Savaria, pertencente à antiga província fronteiriça do Império Romano, Panónia, na atual Hungria. Proveniente de uma família pagã, São Martinho cresceu em Itália, Pavia, e foi criado para seguir carreira militar.

 

Foi após ser convocado para o exército romano, com apenas 15 anos, que descobriu a religião Cristã, tendo sido batizado no ano de 356 depois de abandonar o exército. Tornou-se discípulo de Santo Hilário, foi bispo de Poitiers, em França, que o convocou como diácono (servo oficial da igreja) e presbítero (anciãos aos quais era confiado o governo da comunidade cristã), o que o levou a regressar à sua terra natal para converter a mãe ao cristianismo.

 

VEJA TAMBÉM:  DAS ROMÃS ÀS CASTANHAS: PORQUE DEVE OPTAR PELOS ALIMENTOS DA ESTAÇÃO

 

Martinho de Tours era então conhecido pelos seus milagres, atraindo milhares de pessoas ao seu encontro. Em 371, foi ordenado como bispo de Tours e, nesse mesmo ano, fundou o mosteiro de Marmoutier, nas margens do rio Loire, local onde residia. Foi ainda o fundador de muitas das primeiras igrejas rurais de Gália, na qual fazia questão de atender qualquer um que fosse à sua procura, fossem ricos ou pobres, saudáveis ou doentes, demonstrando o caráter solidário deste homem, como mostra a lenda em que é protagonista.

 

A lenda conta que num dia frio e chuvoso de inverno, Martinho traçava o seu trilho cavalgando no seu cavalo quando se deparou com um mendigo. Não conseguindo ficar indiferente ao facto de o mendigo tremer de frio, o santo pegou na sua capa e cortou metade para que o mendigo se pudesse tapar e aquecer. Um pouco mais à frente, encontrou outro mendigo pedinte, voltando a dar metade do seu manto. São Martinho ficou então sem qualquer capa ou manto para o proteger do vento e da chuva. Reza a lenda que, nesse preciso momento, as nuvens negras que pairavam sobre o santo desapareceram para dar lugar ao sol. Diz-se que o bom tempo se manteve por três dias.

 

VEJA TAMBÉM:  CASTANHAS E MAIS CASTANHAS: CONHECE BEM ESTE FRUTO DE OUTONO?

 

Esta é a razão pela qual existe o mito de que, na véspera e nos dias subsequentes à comemoração, o sol espreita, contrariando o tempo mais habitual desta época sazonal (frio, vento e dias cinzentos), acontecimento popularmente designado como «Verão de São Martinho». Mito ou não, o certo é que este verão tardio tem, até agora, acontecido.

 

O magusto é, portanto, uma data festiva que se realiza no dia São Martinho. Segundo o autor José Leite de Vasconcelos, o magusto representa um sacrifício em honra dos mortos, explicando que na localidade de Barqueiros é tradição acender as fogueiras e preparar, à meia-noite, uma mesa com castanhas para os mortos da família irem comer.

 

A festividade não é só comemorada por terras de D. Afonso Henriques. Existem também inúmeras celebrações pelo mundo, como é o caso das seguintes: na Alemanha acedem-se as fogueiras e abre-se a estrada para as procissões passarem; em Espanha é costume matarem-se os porcos, tradição que originou o ditado popular «cada porco tem o seu São Martinho»; e ainda no Reino Unido existe a expressão «Verão de São Martinho» que está também relacionada com a lenda, visto o tempo melhorar bastante nestes dias nas terras de Sua Majestade.

Artigo anterior

Brilhe nos dias de inverno

Próximo artigo

Os casais mais compatíveis do zodíaco