Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Salinas de Olhão e Faro vão ter ilhas artificiais para aves fazerem ninhos

Salinas de Olhão e Faro vão ter ilhas artificiais para aves fazerem ninhos

O projeto Bio-Ilhas pretende aumentar os locais disponíveis para as aves fazerem os seus ninhos e ao mesmo tempo requalificar as salinas e sapais de Olhão e Faro.

Pinterest Google+
PUB

A Associação Vita Nativa – Conservação do Ambiente, em parceria com a Associação Viridia – Conservation in Action, anunciou o Projeto Bio-Ilhas – Requalificação de Salinas e Áreas Lagunares de Sapal (Olhão e Faro).

 

Este projeto visa recuperar ambientes degradados de sapais e salinas do Sotavento algarvio e promover a conservação de biodiversidade através da implementação de ilhas artificiais em tanques de salinas e lagoas de ETARs.

 

O projeto iniciou em junho de 2021, e terá continuidade até fevereiro de 2023. Pretende-se implementar uma série de ilhas artificiais que sejam atrativas para as espécies de aves nidificarem. Estas ilhas em sistemas lagunares ou salinas são escassas em Portugal.

 

VEJA TAMBÉM: SAGRES RECEBE MAIOR FESTIVAL DE OBSERVAÇÃO DE AVES EM PORTUGAL

 

O declínio populacional a que algumas das espécies-alvo vêm assistindo pode ser invertido com a implementação destas ilhas, que visa precisamente a fixação de indivíduos que utilizem e se reproduzam com sucesso nestes locais, refere a Associação Vita Nativa rem comunicado.

 

«O decréscimo nestas populações de aves está diretamente associado ao abandono das salinas e à grande pressão humana que se verifica nestes habitats. Com a implantação destas ilhas, e a requalificação de combros de salinas degradados, ajudar-se-á à fixação de populações de aves nidificantes, algumas com populações em declínio na Europa, como a chilreta (Sternula albifrons), a perdiz-do-mar (Glareola pratincola),o alfaiate (Recurvirostra avosetta) e o borrelho-de-coleira-interrompida (Charadrius alexandrinus), entre outras», refere a associação.

 

Também contribuirá para a fixação de dormitórios invernais de uma série de espécies de aves, nomeadamente espécies limícolas (aves que nesta região do Algarve se alimentam sobretudo em áreas de sapal durante a baixa-mar).

 

Salinas no Algarve

Ações de requalificação e pedagogia

Paralelamente, serão levadas a cabo ações de requalificação da vegetação de sapal em zonas onde esta se encontra extremamente degradada ou danificada.

 

Serão também dinamizadas ações pedagógicas dirigidas às comunidades locais e escolas, bem como aos atores das atividades socioeconómicas nas áreas a intervencionar, parceiros fundamentais para o sucesso de projetos de promoção e conservação da biodiversidade.

 

Trata-se de um projeto a ser implementado em salinas no Parque Natural da Ria Formosa, nos municípios de Olhão e Faro, nomeadamente nas áreas salineiras entre as duas localidades e também em lagoas das ETARs de Olhão-Poente e Faro-Olhão.

 

Este projeto conta com parceiros como o ICNF – Direção Regional da Conservação da Natureza e das Florestas do Algarve, as Águas do Algarve, a Necton – Companhia Portuguesa de Culturas Marinhas, as Salinas do Grelha – Segredos da Ria, e visa congregar esforços para acolher mais parceiros e interessados.

 

 

 

Artigo anterior

As 20 perguntas a fazer antes de procurar um novo emprego

Próximo artigo

Numerologia: em setembro tudo germina