Home»BEM-ESTAR»NUTRIÇÃO»Dia do Iogurte: Sabe a diferença entre diet e light?

Dia do Iogurte: Sabe a diferença entre diet e light?

Muitas pessoas não sabem sequer que existe uma diferença entre estes dois termos. Pois fique a saber que pode até engordar a comer produtos 'diet', apesar de o termo aludir a dieta. Se fazer um regime alimentar cuidado está na sua lista de prioridades, veja quais são as diferenças para conseguir fazer escolhas conscientes.

Pinterest Google+
PUB

O termo ‘diet’ ou dietético é utilizado na maioria das vezes como sinónimo de eliminação de um nutriente, o que não implica a redução das calorias do alimento. Os nutrientes habitualmente retirados são os açúcares, o sódio, as gorduras, o colesterol e alguns aminoácidos. Em alguns casos também ocorre uma redução de calorias, como os alimentos sem açúcares (gelatinas, gomas,…), ou sem gordura (leite desnatado).

 

«Mas pode acontecer o contrário, alguns ‘chocolates dietéticos’ serem mais calóricos do que a versão normal. Apesar de não terem açúcar, têm mais gordura do que os outros e, por isso, são mais calóricos. O princípio dos alimentos ‘diet’ é atender as pessoas que por alguma razão precisam de restringir estes nutrientes da alimentação. É o caso dos diabéticos, hipertensos, doentes celíacos, entre outros.», esclarece o nutricionista Alexandre Fernandes em declarações à MOOD.

 

VEJA TAMBÉM: AFINAL, QUE QUANTIDADE DE PROTEÍNA DEVEMOS COMER?

 

Já o termo ‘light’ pode ser utilizado quando tiver ocorrido uma redução mínima de 25% do valor calórico total, ou uma redução mínima de 25% dos açúcares, ou uma redução mínima de 25% das gorduras totais em comparação com o mesmo alimento na versão normal. «Normalmente é utilizado para indicar redução das calorias, seja esta redução originada pela diminuição dos açúcares ou das gorduras, como por exemplo: requeijão light, maionese light, margarinas light, etc», explica Alexandre Fernandes.

 

Apesar de o termo induzir o contrário, o facto é que os alimentos ‘diet’ também podem contribuir para o aumento de peso, de acordo com um estudo da Universidade da Geórgia, EUA. Em experiências com ratos alimentados com pouca gordura, mas com muito açúcar, os investigadores depararam-se com o aumento de massa gorda corporal dos ratos comparados com outros alimentados com uma dieta equilibrada.

 

Durante quatro semanas, três grupos de ratos foram observados quanto ao peso corporal, à ingestão calórica, à composição corporal e às amostras fecais. Um grupo de indivíduos testados consumiu uma dieta rica em gordura e açúcar, outro grupo foi alimentado com uma dieta pobre em gordura e alto teor de açúcar e um terceiro grupo recebeu uma dieta equilibrada.

 

A dieta com alto teor de açúcar induziu uma série de outros problemas, incluindo danos no fígado e inflamação cerebral. «A maioria dos designados produtos dietéticos que contêm baixa ou nenhuma gordura tem uma quantidade maior de açúcar e são camuflados sob nomes extravagantes, dando a impressão de que são saudáveis, mas a realidade é que esses alimentos podem danificar o fígado e levar à obesidade também», explica o principal investigador do estudo, Krzysztof Czaja.

 

Na verdade, voltando ao estudo, os ratos que seguiram uma dieta rica em açúcar e baixa em teor de gordura não consumiram mais calorias do que o outro grupo, um facto preocupante. O estudo mostra que uma dieta de baixo teor de gordura e alto teor de açúcar é duas vezes mais eficiente a gerar gordura corporal. Por outras palavras, ratos que fizeram uma dieta baixa em gorduras e rica em açúcares precisaram de menos de metade das calorias para gerar a mesma quantidade de gordura corporal.

 

Tanto os grupos de baixo teor de gordura/alto teor de açúcar e alto teor de gordura/açúcar elevado apresentaram um aumento na gordura do fígado e aumentos significativos no peso e gordura corporais, quando comparados com o grupo de dieta equilibrada.

 

A acumulação de gordura no fígado foi significativa no grupo com alto teor de açúcar e baixo teor de gordura, que, segundo Krzysztof Czaja «é uma situação muito perigosa porque o fígado ao acumular mais gordura imita o efeito da doença hepática gordurosa não alcoólica». As dietas desequilibradas também induziram inflamação crónica no trato intestinal e no cérebro.

 

Muitas pessoas confundem a diferença entre ‘diet’ e ‘light’. Como tal, «antes de comprar, verifique sempre o rótulo dos alimentos e compare com o produto na sua versão normal», aconselha Alexandre Fernandes.

 

Artigo anterior

Desmascarar a hipertensão, a pandemia silenciosa

Próximo artigo

Hipertensão arterial: valores, sinais de alerta e fatores de risco