Home»BEM-ESTAR»CORPO»Rótulos de produtos para a pele podem ser enganadores, revela dermatologista

Rótulos de produtos para a pele podem ser enganadores, revela dermatologista

O termo 'sem fragrância' em produtos para a pele nem sempre significa realmente o que diz. E ‘100% natural’ também não quer dizer que seja necessariamente adequado para a pele.

Pinterest Google+

Não acredite em tudo o que lê nos rótulos dos produtos de cuidados para a pele. «A linguagem no rótulo nem sempre é uma descrição precisa do produto dentro da embalagem ou dos seus potenciais efeitos sobre a pele», informa a dermatologista Rajani Katta, professora de medicina na Escola de Medicina de Baylor, em Houston, EUA.

 

«Os fabricantes podem usar determinada linguagem para fins de marketing e os mesmos termos podem significar coisas diferentes em produtos diferentes, o que torna difícil determinar o que significam realmente e que efeito têm na pele», alerta a dermatologista.

 

Veja também: Muito do que irrita a nossa pele encontra-se no nosso quintal

 

Por exemplo, há pessoas que tendem a escolher produtos rotulados ‘para pele sensível’ ou ‘hipoalergénicos’ porque acreditam que estes produtos serão mais suaves na pele e menos propensos a causar reações alérgicas. No entanto, em território norte-americano, esses termos não são regulados pela Food and Drug Administration, não havendo assim garantia de que esses produtos não irão irritar a pele ou causar algum tipo de reação.

 

Katta alerta para uma maior cautela quanto ao termo ‘100% natural’, uma vez que os produtos que contêm ingredientes naturais não são necessariamente bons para a pele. «Lembre-se, a hera venenosa é ‘totalmente natural’», exemplifica a dermatologista. «E mesmo se um determinado ingrediente natural for bom para a pele, alguns produtos podem combinar esse ingrediente com aditivos ou conservantes que poderão ser prejudiciais».

 

Veja também: Cuidados de pele para homem segundo um dermatologista

 

A linguagem relacionada às fragrâncias também pode ser enganadora. Segundo Katta, sob as atuais leis de rótulos, os fabricantes têm permissão para usar o termo ‘sem fragrância’ em produtos que incluem produtos químicos de fragrância. E esses produtos químicos podem  ser utilizados para outra finalidade, como por exemplo hidratação. Além disso, esse mesmo termo pode ser colocado em produtos que utilizam fragrâncias para mascarar um forte odor existente em vez de criar um novo perfume.

 

«Infelizmente, não há qualquer linguagem de rótulos que garanta que um produto é hipoalergénico e adequado para a pele sensível», diz Katta. Como tal, a dermatologista aconselha a consulta de um profissional na área dermatologia.

 

Veja também: Como ter uma pele linda sem gastar um cêntimo

 

Katta sugere que os pacientes com pele sensível testem uma pequena quantidade de um determinado produto no antebraço durante uma semana para verificar se provoca reação. Também recomenda que os pacientes que estão com algum tipo de inflamação na pele evitem novos produtos completamente, uma vez que a barreira protetora da pele já está comprometida, tornando-se suscetível a irritações adicionais.

 

Se um produto de cuidados da pele causar uma reação adversa, nem sempre é fácil identificar o culpado. Muitas pessoas pensam que as reações alérgicas acontecem instantaneamente, mas podem demorar alguns dias a surgir, e algumas pessoas podem desenvolver uma alergia a um ingrediente de cuidado da pele depois de utilizá-lo durante meses ou anos.

Artigo anterior

A bizarra (e luxuosa) sanita dos japoneses

Próximo artigo

Bullying pode levar a doenças crónicas em adulto