Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Quais os riscos da terapêutica hormonal de substituição?

Quais os riscos da terapêutica hormonal de substituição?

Sabe-se que a genética e a exposição aos estrogénios são condições importantes para o desenvolvimento do cancro da mama, mas não está ainda clarificado se os estrogénios têm uma função precursora ou simplesmente promotora.

Pinterest Google+

A utilização isolada de estrogénios, conforme a dose e a duração da terapêutica, provoca hiperplasia do endométrio. Se o uso de estrogénios, em mulheres com útero, não for compensado pela administração de progestativos pode levar ao aparecimento de atipias no tecido endometrial e também de carcinoma do endométrio (cancro do útero).

 

O risco é incrementado com a duração do tratamento e quanto maior for a dose utilizada. Contudo se for associado um progestativo na quantidade e tempo adequados a incidência de hiperplasia do endométrio é praticamente inexistente e o risco de cancro uterino é igual ao das mulheres que não fizeram terapêutica hormonal.

 

Veja também: «A incontinência urinária continua a ser uma epidemia escondida»

 

Assim um princípio básico da Terapêutica Hormonal de Substituição (THS) é que na mulher com útero é primordial associar ao estrogénio um progestativo ou utilizar uma substância terapêutica sem atividade proliferativa no endométrio (Ex.: Tibolona), isto é, na mulher com útero tem que haver sempre uma proteção apropriada do endométrio.

 

Em relação ao cancro da mama, sabe-se que a genética e a exposição aos estrogénios são condições importantes para o seu desenvolvimento, mas não está ainda clarificado se os estrogénios têm uma função precursora ou simplesmente promotora do cancro da mama. Os vários estudos existentes chegaram a conclusões díspares e a dificuldade em se obterem resultados definitivos está relacionado com o facto de este tipo de cancro ter um período de latência grande, entre os 10 a 20 anos.

 

Veja também: Como prevenir as doenças cardiovasculares

 

Contudo, alguns estudos mais recentes apontam para um aumento do risco relativo do cancro de mama quando a terapêutica se prolonga por mais de 10 anos e em mulheres com mais de 60 anos, verificando-se que a associação com a progesterona não altera este risco. Porém, a maioria dos investigadores nesta área concorda que a mortalidade por carcinoma da mama não aumenta nas mulheres sob tratamento hormonal.

 

Em todo o caso, a segurança é primordial e todas as pacientes que vão realizar THS devem ser sujeitas, antes e durante a terapêutica, a um exame mamário meticuloso, incluindo mamografia.

Artigo anterior

Visitas gratuitas vão mostrar cada centímetro do Metro de Lisboa em 2018

Próximo artigo

Os acessórios de pele também são sexy e falam português