Home»ATUALIDADE»EDITORIAL»Relaxe nestas férias

Relaxe nestas férias

Agosto é, por excelência, o período de férias. A altura mais desejada do ano. E ela, finalmente, chegou.

Pinterest Google+

Nada como umas férias para recarregar baterias e ter tempo para voltar a por as coisas em perspetiva. Sim, porque a lufa-lufa do dia a dia não nos deixa margem para pensar com tranquilidade na vida, nos problemas a resolver, nos próximos passos a dar.

 

Chegou o momento, aproveite-o.

 

Hum… afinal não consegue, porque tem uns filhos que são uns traquinas e não lhe dão descanso; continua a pensar nos problemas no trabalho que ficaram por resolver; tem uma situação financeira em mãos; estar 24h por dia com o seu cônjuge afinal traz alguns atritos; tem de gerir uma semana na casa dos pais ou dos sogros,  etc.. etc.. etc..

 

É assim consigo? Há estudos que mostram que os níveis de stress sobem durante as férias. E estas são apenas algumas das razões.

 

Mas não permita que isto lhe aconteça. Aproveite as férias. Resolva as situações que lhe causam stress. Simples, mãos à obra, resolva-as. A maioria estará com certeza ao seu alcance.

 

Leve dois ou três dias a desligar da rotina e deixe-se embarcar em momentos de puro relaxamento. «Ahhh mas as férias são tão pequeninas, já estou em stress a contar os dias de regresso ao trabalho». Certo, também há o chamado stress pós-férias. Mas para isso também há estratégias que o ajudam a combater. Veja AQUI.

 

E o verão tem três ou quatro meses, as suas férias devem ser de duas ou três semanas. Vai ficar o resto do tempo triste porque quer estar livre para fazer o que lhe apetece? Também há formas de manter o espírito de férias enquanto trabalha e prolongar a sensação de bem-estar (veja AQUI).

 

Vamos então todos descansar, ficar menos stressados, para também levar a vida de forma mais tranquila. Respirar fundo, sorrir e seguir com a vida.

 

Boas férias.

Artigo anterior

Sports Illustrated lança linha própria de biquínis e inclui tamanhos plus-size

Próximo artigo

Estudo não relaciona perda de audição com uso de auscultadores