Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Recuperar espécies-chave para a restauração do ecossistema é o tema do Dia Mundial da Vida Selvagem

Recuperar espécies-chave para a restauração do ecossistema é o tema do Dia Mundial da Vida Selvagem

A perda contínua de espécies e a degradação de habitats e ecossistemas ameaçam a humanidade como um todo, pois as pessoas dependem dos recursos baseados na biodiversidade. Mais de um milhão de espécies estão ameaçadas de extinção.

Pinterest Google+
PUB

O Dia Mundial da Vida Selvagem é celebrado anualmente a 3 de março. Este ano tem como mote a recuperação de espécies-chave para a restauração do ecossistema, para chamar a atenção sobre o estado da vida selvagem ameaçada e criticamente ameaçada e para destacar o poder dos esforços de conservação que buscam reverter seu destino.

 

De acordo com dados da Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza, mais de 8.400 espécies de fauna e flora selvagens estão criticamente ameaçadas, enquanto cerca de 30.000 outras estão ameaçadas ou vulneráveis. Com base nessas estimativas, sugere-se que mais de um milhão de espécies estão ameaçadas de extinção.

 

VEJA TAMBÉM: LINCE-IBÉRICO REPRESENTA UMA HISTÓRIA DE SUCESSO NA RECUPERAÇÃO DE ESPÉCIE AMEAÇADA

 

A perda contínua de espécies e a degradação de habitats e ecossistemas ameaçam a humanidade como um todo, pois as pessoas dependem dos recursos baseados na biodiversidade para satisfazerem as suas necessidades, desde alimentos, medicamentos, combustível, casa e roupas.

 

A Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies Silvestres Ameaçadas de Extinção (CITES) escolheu, por isso, o tema “Recuperar espécies-chave para a restauração de ecossistemas” para assinalar o Dia Mundial da Vida Selvagem das Nações Unidas 2022.

 

cavalo-marinho

O objetivo é chamar a atenção para o estado de algumas das espécies da fauna e flora selvagens mais ameaçadas e o seu papel nos ecossistemas, apelando a um compromisso urgente. O tema também destaca o impacto dos esforços de conservação e promove exemplos de melhores práticas em que espécies foram trazidas de volta do precipício.

 

A secretária-geral da CITES, Ivonne Higuero, disse: «A perda de biodiversidade é uma ameaça existencial para as pessoas e o planeta. A perda contínua de espécies selvagens ameaça minar ecossistemas inteiros e coloca em perigo o bem-estar de todos que dependem deles. Temos o poder de mudar o rumo e restaurar espécies ameaçadas e os seus habitats».

 

 

 

Artigo anterior

Opção vegana: almôndegas de aveia e cogumelos

Próximo artigo

ONU lança portal para monitorizar fluxo de refugiados da Ucrânia