Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»“Reciclar no Sentido Certo” alerta para reciclagem correta de resíduos elétricos e eletrónicos

“Reciclar no Sentido Certo” alerta para reciclagem correta de resíduos elétricos e eletrónicos

A campanha nacional vai ajudar o cidadão a perceber onde colocar os equipamentos elétricos e eletrónicos que já não podem ser reparados e que atingiram o seu fim de vida.

Pinterest Google+
PUB

As entidades gestoras de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) Electrão, ERP Portugal e E-Cycle juntaram-se à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e à Direção-Geral das Atividades Económicas (DGAE) para mostrar aos portugueses o destino certo para os aparelhos elétricos e eletrónicos que já não funcionam. “Reciclar no sentido certo” é o mote da campanha nacional de sensibilização que explorará o lado emocional dos portugueses, conduzindo-os a seguir num só sentido – “o certo”.

 

A campanha ajudará o cidadão a perceber onde colocar os equipamentos elétricos e eletrónicos que já não podem ser reparados e que atingiram o seu fim de vida, e alertará para a importância do seu comportamento no processo de reciclagem.

 

Muitos destes equipamentos são ainda descartados pelo consumidor no lixo comum e vão parar a aterros. Outros ficam a poluir solos e linhas de água e as substâncias nocivas acabam por contaminar a cadeia alimentar.

 

VEJA TAMBÉM: GERAÇÃO DEPOSITRÃO RECOLHE 400 TONELADAS DE RESÍDUOS EM ESCOLAS DE TODO O PAÍS

 

Ao “reciclar no sentido certo” é possível evitar o abandono de REEE e promover o aumento das taxas de reciclagem, garantir o tratamento e a descontaminação das substâncias nocivas e reaproveitar os materiais, integrando-os novamente no ciclo produtivo e reduzindo a extração de matérias-primas virgens.

 

residuo eletrico

Campanha no ar

A campanha estará no ar até outubro nos meios televisão, rádio, e canais online, incluindo as redes sociais e o website www.reciclarnosentidocerto.pt, onde será possível encontrar os principais conceitos associados à gestão de REEE, apelando à participação ativa dos cidadãos, através da entrega dos seus resíduos nos locais apropriados, consolidados e disponíveis nesta plataforma.

 

De acordo com Inês Santos Costa, secretária de Estado do Ambiente, «em 10 anos passámos de vender 120 milhões/ano de smartphones no mundo, para 1500 milhões. Não admira que o fluxo de REEE seja um dos que mais cresce. Em 2030 serão 75 milhões de toneladas, quase como 7500 torres Eiffel. Este fluxo tem desafios (componentes perigosos), oportunidades (metais preciosos) e metas ambiciosas de recolha e valorização. Mas são metas que países como Portugal têm dificuldade em cumprir. É no âmbito do Plano de Ação dos REEE, que se insere esta campanha. Não queremos tornar a ação cidadã ecologicamente perfeita, mas explicar onde podemos fazer diferença, pela nossa saúde, da nossa família e do lugar onde vivemos, mesmo com ações imperfeitas.»

 

Para João Veloso da Silva Torres, secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, «a presente campanha é uma das medidas do Plano de Ação dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos, definido pelo Governo, para corrigir ineficiências detetadas no Sistema Integrado de Gestão destes resíduos. A importância de uma eficiente gestão destes resíduos não se esgota em motivos ambientais, sendo muito relevante para a economia, face à possibilidade de manutenção dos materiais no ciclo económico pelo máximo tempo possível e à criação de empresas, rendimento e emprego que as atividades de tratamento e reciclagem potenciam. Os consumidores são um agente fundamental na condução da mudança, sendo expectável que esta campanha tenha um efeito muito positivo numa gestão mais eficiente dos REEE.»

 

 

 

Artigo anterior

Afeganistão: Talibãs não perderam tempo a erradicar direitos humanos

Próximo artigo

Mimo e cuidados de outono com a Ayurveda