Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Queixas contra o Centro Nacional de Pensões disparam 88%

Queixas contra o Centro Nacional de Pensões disparam 88%

Atrasos na atribuição das reformas é o principal motivo de reclamação no Portal da Queixa. Há relatos de utentes que aguardam resposta há 3 anos.

Pinterest Google+

O Portal da Queixa detetou um aumento significativo das reclamações dirigidas ao Centro Nacional de Pensões (CNP). Entre novembro de 2018 e 5 de maio de 2019, as queixas dispararam 88% face ao período compreendido entre 5 de maio de 2018 até novembro de 2018. Os dois períodos em análise mantêm em comum o principal motivo das reclamações: os atrasos na atribuição das reformas.

 

O Portal da Queixa tem verificado que as reclamações contra o CNP têm vindo a aumentar. Só do início do ano, até ao dia 5 de maio, a maior rede social de consumidores de Portugal viu serem registadas na sua plataforma 377 reclamações.

 

VEJA TAMBÉM: TRATAMENTO ANTIRRETROVIRAL EFICAZ IMPEDE TRANSMISSÃO DO VIH

 

A equipa do Portal da Queixa decidiu fazer uma análise entre dois períodos semestrais e verificou que, de 5 de maio de 2018 até novembro de 2018, foram recebidas 266 reclamações, tendo constatado que o número das queixas disparou para 501, entre novembro de 2018 e 5 de maio de 2019, refletindo um aumento de 88%. Para além da subida das reclamações, o Portal da Queixa detetou – através dos casos reportados na plataforma -, que há pessoas a aguardar uma resposta do CNP há, praticamente, três anos.

 

Nos dois períodos em análise, os principais motivos das reclamações apresentadas mantêm-se inalteráveis. A liderar as queixas estão os atrasos na atribuição das reformas; seguem-se os atrasos na atribuição de pensões, sobrevivência, viuvez e alimentos. Em terceiro lugar na tabela, está a falta de resposta do CNP aos pedidos de informação: ausência de esclarecimentos por telefone/email e fax.

 

VEJA TAMBÉM: ONU: UM MILHÃO DE ESPÉCIES EM RISCO DE EXTINÇÃO

 

A página do CNP no Portal da Queixa reflete a falta de resposta entre a marca/serviço e o consumidor, uma vez que, a entidade pública apresenta um Índice de Satisfação de 9.3 em 100 e apresenta uma Taxa Solução e Resposta de apenas 7,9%, alusiva aos últimos 12 meses.

 

Entre as reclamações apresentadas pelos utentes, destacam-se alguns casos que atestam, não só, o descontentamento dos cidadãos queixosos, mas também evidenciam a indignação pela longa espera por uma resposta ou resolução do problema, finaliza o comunicado do portal.

 

Artigo anterior

Quer uma escapadela revigorante às portas de Lisboa?

Próximo artigo

Sal: usos alternativos na beleza e na limpeza