Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Quão perto está o seu médico de família?

Quão perto está o seu médico de família?

Celebra-se a 19 de maio o Dia Mundial do Médico de Família, o médico que cuida do paciente e da sua família, na saúde e na doença, ao longo das várias fases da vida. Já pensou na relevância de ter médico de família?

Pinterest Google+
PUB

É normalmente o primeiro ponto de contacto com o sistema de saúde, independentemente da idade, sexo, ou qualquer outra característica da pessoa em questão. Desde o início da vida, ainda durante a gravidez e durante toda a infância e adolescência, o médico de família compromete-se com a vigilância da saúde, a promoção de hábitos de vida saudáveis e a prevenção do surgimento de doenças.

 

Acompanha a família e apoia-a na adaptação às diferentes fases do ciclo de vida. Cuida quando surge um problema de saúde agudo (como uma constipação ou uma infeção urinária) e apoia-o também quando se instala uma doença crónica (como a diabetes, a hipertensão arterial ou a doença pulmonar obstrutiva crónica), evitando a sua progressão e o desenvolvimento de complicações.

 

O médico de família baseia as suas decisões/diagnósticos na incidência e prevalência das doenças na comunidade, valorizando o contexto clínico e epidemiológico próprio de cada doente.

 

VEJA TAMBÉM: MAIO É O MÊS DO CORAÇÃO. CONHECE O SEU RISCO CARDIOVASCULAR?

 

A continuidade de cuidados estende-se ao longo de todo o percurso de vida, criando-se uma ligação singular, em que o médico conhece os doentes e as suas famílias, tendo a capacidade de se adaptar para lhes proporcionar os cuidados de que precisam, habitualmente mobilizando os recursos da comunidade particular em que se inserem.

 

E se necessitar de cuidados de outras especialidades?

Também nessa altura o médico de família aconselha e orienta, quer para as consultas de outros profissionais (enfermeiros, psicólogos, nutricionistas), quer para as especialidades hospitalares (Urologia, Ginecologia, Dermatologia…), auxiliando-o a aceder àqueles serviços.

 

O médico de família assume um papel de advocacia do utente no sistema de saúde, sempre que necessário, zelando pelo seu melhor interesse.

 

Tal como em todas as relações, é natural que em algum momento se depare com algum atrito e insatisfação. Atualmente, há um conjunto de atividades que são requisitadas aos serviços de saúde, nomeadamente ao médico de família (como as declarações de saúde/doença exigidas por terceira pessoa, os atestados de robustez para variados fins, os atestados para atividades recreativas/condução), que além de consumirem tempo e recursos, atribuem ao médico de família funções de peritagem do utente, criando barreiras, e por vezes até alguma discórdia, nesta relação de proximidade.

Lembre-se que o seu médico também fica frustrado quando não o consegue ajudar!

 

Dada a abrangência das suas intervenções em problemas de saúde das dimensões física, psicológica, social, cultural e existencial, os médicos de família investem na sua atualização científica constante, de forma a proporcionar saúde e bem-estar, através de intervenções apropriadas e comprovadamente efetivas.

 

Confie no seu médico de família! Se está inseguro ou não se sente apoiado, partilhe as suas preocupações. Este mês celebre com o seu médico o Dia Mundial do Médico de Família!

 

Artigo anterior

Pés ao léu: saiba como tratar calos e calosidades

Próximo artigo

Crianças urbanas têm medo de contacto com a natureza