Home»FOTOS»Quando Rubbish deixa de ser lixo

Quando Rubbish deixa de ser lixo

Cada mala e mochila tem a sua própria história. A filosofia ecologicamente sustentável da marca suíça, com mão-de-obra em Portugal, dá-lhe liberdade para escolher a sua mala Rubbish e começar uma nova vida com ela.

Pinterest Google+
PUB

Já foi ‘diirt’ agora é Rubbish. Foi na feira ISPO Brandnew, em 2015, que tudo começou, depois de a marca ter chegado à final de um concurso de startups. A ideia inicial era reutilizar velas antigas e parapentes, bem como produzir novos produtos feitos a partir destes materiais. Durante 15 anos, Patrícia Domingues, responsável pela marca, trabalhou como designer. Em conversa com a Mood, contou a sua proximidade com o imaginário da ecologia.

 

«Desde muito cedo que comecei a participar em ações de preservação do meio ambiente, como a limpeza das montanhas suíças, por exemplo», partilha. Apesar de viver na Suíça, Patrícia é cidadã europeia (belga) e sempre quis criar algo no seu país. Portugal passou a ser o seu outro país, com a criação do estúdio de produção e a equipa Rubbish.

 

Veja também: Os hotéis ecológicos mais impressionantes do mundo

 

Rubbish, que significa lixo em português, é o nome da marca que cria coisas novas a partir de coisas velhas ou inúteis, partindo de um processo altamente sustentável. E foi a partir de uma equação que junta ecologia, investimento social e design  que nasceu este projeto.

 

«Acho que sempre sonhei em reutilizar materiais que são considerados lixo e criar algo novo. Quando era pequena, passava a vida a inventar coisas novas. Em vez de comprar ou pedir coisas, começava a usar tudo o que aparecia à minha volta para construir aquilo de que precisava», contextualiza a designer.

 

Esta é definitavemnte uma marca verde e funcional, não só nas coleções mas em todo o processo. Segundo Patrícia Domingues, é dado aos riders ou embaixadores da marca uma solução para o seu equipamento antigo ou partido. «Criamos coleções que dão um novo valor a produtos antigos. Uma coleção de designer que se adequa perfeitamente a um estilo de vida acelerado. E criar postos de emprego… é uma das melhores coisas que consegui fazer», rejubila.

 

Veja também: Onurb: transformar o inútil em algo novo

 

O projeto começou com a criação de bolsas e malas a tiracolo estilo messenger de diferentes tamanhos, mas depressa se ampliou o cardápio. Vieram as mochilas e pequenos acessórios, como estojos, bolsas para computadores, carteiras… «Estou ansiosa para criar os próximos», expressa a designer.

 

Os materiais para reciclar vêm um pouco de toda a Europa e por vezes do Canadá. Surpreendentemente, a marca utiliza materiais de desportos como kitesurf, parapente, paraquedismo, paddle, escalada, etc, doados pelos desportistas radicais. A Rubbish tem, assim, no seu ADN, uma parte deste mundo radical.

 

O preço das malas vai dos 40 aos 120 euros e os acessórios começam nos 13 euros. Para conhecer melhor os produtos da marca visite o site oficial da Rubbish.

 

 

Artigo anterior

‘Quando fores grande tens de ser o melhor!’

Próximo artigo

Restrição de tempo na alimentação pode ajudar na perda de peso