Home»VIDA»CARREIRA»Pronto para a transição verde? 5 tendências no paradigma do trabalho

Pronto para a transição verde? 5 tendências no paradigma do trabalho

A transformação de competências e novos perfis de trabalho mais verdes são urgentes. O novo paradigma pós-pandemia requer novos papéis, competências, formação e requalificação.

Pinterest Google+
PUB

Num mundo em mudança, onde a oferta de trabalho supera a procura, como fazer face à escassez de talento? O Grupo Adecco reuniu os seus dados e reforçou-os com os do LinkedIn para confirmar um facto: a transformação de competências e novos perfis de trabalho mais verdes são urgentes. O novo paradigma pós-pandemia requer novos papéis, competências, formação e requalificação.

 

Uma economia com maior preocupação ambiental e um movimento em direção a um futuro mais sustentável, afetará a procura de novas competências no mercado de trabalho. E a transição para um mundo ambientalmente mais responsável não será possível sem as competências certas.

 

O estudo do Grupo Adecco revela que sem desenvolvimento de competências a economia global pode perder cerca de 71 milhões de postos de trabalho até tornar-se circular. Novos parâmetros ambientais e regulações levarão a mudanças nos produtos e serviços, assim como nos postos de trabalho e competências disponíveis.

 

VEJA TAMBÉM: AS 20 PERGUNTAS A FAZER ANTES DE PROCURAR UM NOVO EMPREGO

 

O que é um emprego verde?

A transição verde é uma exigência global. Mas o que faz exatamente um emprego ambientalmente responsável? Significará trabalhar diretamente no setor ambiental? Ou simplesmente não trabalhar para organizações que afetam de forma negativa o planeta?

 

O Centro Europeu para o Desenvolvimento da Formação Profissional (Cedefop) define as competências “verdes” como “o conhecimento, competências, valores e atitudes necessárias para viver, desenvolver e apoiar uma sociedade sustentável e eficiente em termos de recursos”.

 

Desde que foi publicada em 2010, a definição base frequentemente utilizada em relatórios que estudam a economia verde é a do Bureau of Labour Statistics define que os empregos verdes são: a) Empregos em áreas de negócio que produzem bens ou fornecem serviços que aportam vantagens para o ambiente ou que contribuem para a conservação dos recursos naturais; ou trabalhos em que um dos deveres do trabalhador passa por tornar o processo de produção mais amigo do ambiente ou por usar menos recursos.

 

Empregos verdes mais procurados

Atualmente, os empregos “verdes” atualmente mais procurados são especialistas ambientais, engenheiros civis, florestais, técnicos ambientais, técnicos de instalação fotovoltaicos. Mas o espectro alarga-se, e outros setores habitualmente não associados ao ambiente estão também a mudar para práticas e modelos de baixo carbono, à medida que a emergência das alterações climáticas cresce.

 

Muitas práticas de produção e de consumo são ambientalmente insustentáveis. Postos de trabalho que causam, de forma direta ou indireta, a degradação e o esgotamento dos recursos terrestres têm de mudar para boas práticas zero carbono, e novos postos de trabalho têm de ser criados de forma a proteger o nosso planeta. Criar uma economia mais verde e baseada em postos de trabalho mais verdes é urgente e necessário. Mas estaremos perto de atingir este objetivo?

Adaptar as novas competências a postos de trabalho que não eram habitualmente associados ao ambiente é crucial. Ao longo dos últimos cinco anos houve um impulso da procura por novas competências relacionadas com o ambiente, registando-se os maiores crescimentos ao nível de gestão de ecossistemas, política ambiental e prevenção da poluição.

 

A disrupção provocada pela pandemia levou várias empresas a acelerar a transição digital e vários governos e entidades anunciaram apoios financeiros para o “recomeço verde”. A ferramenta Skill Predict, da Adecco, prevê que a criação de postos de trabalho verdes (PTV) recupere mais rapidamente do que a criação de empregos em geral, a um ritmo de mais 77% em Espanha, líder na aceleração da criação de PTV .

 

Pandemia acelerou transição

A pandemia veio mudar a forma como trabalhamos e onde trabalhamos, e trouxe nova emergência à crise climática, até porque parte da raiz que causa as alterações ao clima também aumenta a tendência para pandemias. As lições que aprendemos e as novas formas de pensar são claras: estamos a priorizar a transição verde.

 

De regresso ao novo normal, assiste-se assim a uma maior procura por empregos amigos do ambiente. E é importante que todos os setores se foquem nas boas práticas amigas do ambiente, saudáveis e associadas ao bem-estar.

 

 

AS 5 TENDÊNCIAS QUE DEFINEM A TRANSIÇÃO PARA UMA ECONOMIA VERDE

Segundo o relatório do LinkedIn Global Green Skills 2022:

 

  1. A PROCURA POR TALENTO “VERDE” EM BREVE ULTRAPASSARÁ A OFERTA DISPONÍVEL

O talento amigo do ambiente disponível entre a força de trabalho está a aumentar. Se em 2015 a quota de pessoas especializadas era de 9,6%, em 2021 era de 13,3% (crescimento de 38,5%).

 

  1. A CONTRATAÇÃO DE TALENTO “VERDE” ESTÁ A ACELERAR MAIS RAPIDAMENTE DO QUE A CONTRATAÇÃO EM GERAL

Esta tendência intensificou-se com a pandemia, o que demonstra que o talento “verde” é mais resiliente à crise do que o restante tipo de talento.

 

  1. ATUALMENTE EXISTE EQUILÍBRIO ENTRE AS COMPETÊNCIAS VERDES QUE SÃO NECESSÁRIAS

Sustentabilidade, energias renováveis, sensibilização ambiental, ambiente, saúde e segurança e responsabilidade social empresarial fazem parte das 10 competências ambientais mais procuradas.

 

  1. AS COMPETÊNCIAS VERDES QUE MAIS TÊM CRESCIDO SÃO MAINSTREAMING E EMERGENTES

As competências que mais têm crescido são: gestão de ecossistemas, políticas ambientais e prevenção de poluição. No entanto, uma maioria de competências é ainda necessária em áreas que não são habitualmente pensadas como verdes, como gestores de frotas, cientistas de dados ou trabalhadores de saúde.

 

  1. O VOLUME DE TRABALHADORES QUE SE ESTÃO A ADAPTAR ÀS NOVAS NECESSIDADES É DEMASIADO BAIXO

Tal como revela o relatório do LinkedIn, se a colocação de anúncios de contratação de trabalhadores ambientais tem vindo a crescer em média 8% anualmente nos últimos cinco anos, o número de trabalhadores com competências ambientais a colocar o seu perfil nesta rede profissional tem crescido 6% no mesmo período. Apesar de cada vez mais trabalhadores estarem a desenvolver este tipo de competências, o número de pessoas que tem vindo a adaptar-se às novas necessidades “verdes” é demasiado baixo.

 

 

Artigo anterior

Abacate, abacaxi, vitamina A: há um poder nos alimentos com letra A

Próximo artigo

As melhores plantas para oferecer como presente