Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Professor português entre os finalistas mundiais do Global Teacher Prize

Professor português entre os finalistas mundiais do Global Teacher Prize

Jorge Teixeira é professor de ciências, no ensino público em Chaves, e está na reta final do chamado Nobel do ensino. O prémio de um milhão de dólares, cerca de 880 mil euros, será atribuído em março de 2019 ao grande vencedor.

Pinterest Google+

Os professores portugueses vivem um momento especial em termos de reconhecimento da comunidade: depois de no ano passado ter estreado o Global Teacher Prize Portugal, agora é precisamente o primeiro vencedor deste prémio que coloca Portugal no mapa internacional ao ver-se reconhecido como um dos 50 finalistas da edição de 2019 do prémio que acolhe candidaturas de professores e professoras de todo o mundo. O vencedor será anunciado em março de 2019 durante o Fórum Global de Educação e Habilidades, a realizar no Dubai.

 

Sobre esta surpresa de última hora, Jorge Teixeira não esconde a satisfação: «Para mim, já é o reconhecimento de uma vida de trabalho, que sempre desenvolvi com todo o empenho, dedicação e paixão».  Veja abaixo o vídeo do projeto deste professor.

 

Jorge Teixeira é, atualmente, professor de Física e Química na Escola Secundária Dr. Júlio Martins, em Chaves, formador do Centro de Formação e colaborador do Laboratório de Didática de Ciências e Tecnologia da UTAD.  Há 12 anos fundou, na Escola Secundária Fernão de Magalhães, o Clube do Ensino Experimental das Ciências (CEEC), com o intuito de conciliar ambas as vias de aprendizagem, formal e não formal.

 

A articulação do ensino formal com as atividades do CEEC mostra que há uma melhoria significativa de progresso e aprendizagem dos alunos. O Clube do Ensino Experimental das Ciências (CEEC) tem como principal missão disponibilizar aos alunos do ensino secundário um local de debate e experimentação de ideias sobre ciência e tecnologia ou de outros assuntos do seu interesse.

 

O CEEC é um espaço de ensino não formal, fora da componente letiva da disciplina, que trabalha em articulação com o ensino formal, realizado semanalmente, aberto a todos os alunos e de carácter facultativo, onde o ensino e a aprendizagem estão focados no aluno, cabendo ao professor o papel de supervisor e de dinamizador desse espaço. É aberto à comunidade, às iniciativas dos alunos e/ou professores, de custos muito reduzidos e que aproveita o material das escolas. É interdisciplinar, transversal e ajuda os alunos a encontrar a sua vocação.

 

VEJA TAMBÉM: JOVENS PODEM CANDIDATAR-SE A VIAGENS GRATUITAS PARA DESCOBRIR A EUROPA

 

Prémio mundial

Na sua génese, trata-se de um prémio mundial no valor de 1 milhão de dólares, cuja primeira edição aconteceu em 2015 e que, anualmente, pretende distinguir um professor que se tenha destacado pelo trabalho excecional e que, desta forma, tenha contribuído particularmente para a valorização da profissão.

 

As candidaturas estão abertas a todos os professores em atividade de todo o mundo e estão enquadradas por um regulamento, que é público, e que abrange um conjunto de critérios considerados mais relevantes para o exercício da profissão.

 

VEJA TAMBÉM: TRABALHOS DE CASA: QUAL O LIMITE?

 

Uma equipa de auditores independentes valida as candidaturas e um júri multidisciplinar e multinacional (composto por professores, especialistas em educação, jornalistas, empresários, gestores, cientistas…) avalia as candidaturas e elege o vencedor.

 

Na sua primeira edição, o GTP recebeu mais de 5.000 candidaturas, de professores de 127 países, tendo sido eleita a professora americana Nancie Atwell .Em 2016, a vencedora do GTP foi a professora palestiniana Hanan Al Hroub e, em 2017, foi atribuído à professora inuit Maggie MacDonnell, de Salluit, Quebec, Canadá. Quanto à edição deste ano, teve uma vencedora, a professora britânica Andria Zafirakou da escola secundária Alperton Community School em Londres, no Reino Unido.

 

Artigo anterior

Tem mesmo frio? Estes são os locais mais frios do mundo

Próximo artigo

Deixar de fumar no Ano Novo ajuda a manter a promessa