Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Portugueses gastam menos em bens essenciais para a prática de exercício do que em medicamentos

Portugueses gastam menos em bens essenciais para a prática de exercício do que em medicamentos

Resultados do Observador Cetelem Exercício e Alimentação Saudável mostram que os portugueses investem pouco em bens necessários à prática de atividades físicas. A análise confirma o desinteresse generalizado da maioria dos portugueses pelo exercício físico, com menos de um terço a afirmarem que se exercitam com regularidade.

Pinterest Google+

85% dos portugueses inquiridos pelo Observador Cetelem gastam por ano, em média, 146 euros em bens essenciais para a prática de exercício físico, como vestuário ou calçado, o que representa um custo mensal de cerca de 12 euros. Este representa metade do valor gasto pelos portugueses em medicamentos.

 

Apesar se estar a assistir a uma nova vaga de motivação para a prática de exercício físico, parece evidente o desinteresse generalizado da maioria dos portugueses pelo exercício físico, com menos de um terço a afirmarem que praticam exercício físico com regularidade.

 

VEJA TAMBÉM: COMPOSIÇÃO CORPORAL: AFINAL ESTOU A PERDER PESO OU NÃO?

 

Como consequência deste sedentarismo, os gastos com bens essenciais para a prática de exercício físico são relativamente baixos, com 85% a afirmarem que investem no máximo até 250€ por ano. A maioria (53%) afirma mesmo que tem um gasto anual com vestuário/calçado de até 100€ por ano; 32% gastam até 249 euros; e apenas 3% gasta mais de 250 euros.

 

Valores que se comprovam particularmente baixos se comparados com os 25 euros gastos em média em medicamentos por cada português – 300 euros/ano –, de acordo com os dados do inquérito divulgado pela Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor no Dia Mundial da Saúde.

 

Por outro lado, e tendo em conta que 60% dos inquiridos preferem dedicar-se aos treinos no ginásio, a esmagadora maioria (87%) não investe em grandes equipamentos, como, por exemplo, passadeiras. Este valor está relacionado com o reduzido número de pessoas que afirma praticar exercício físico em casa, apenas 1%. Por outro lado, 44% dos que praticam exercício ao ar livre fazem-no sem investir em equipamentos, como, por exemplo, bicicletas.

 

VEJA TAMBÉM: OS SUPERALIMENTOS QUE O VÃO AJUDAR NO DESPORTO

 

Apesar da moda e das questões estéticas/aparência serem importantes para quem faz exercício físico, e serem apontadas por 23% como uma razão para fazerem exercício físico, este parco investimento em bens essenciais para a prática de exercício poderá ser entendido como mais um sinal do sedentarismo e do desinteresse dos portugueses pelo exercício físico. E nem as razões de saúde, indicadas por 37% como outra das razões para fazerem desporto parecem motivar de forma suficiente mais portugueses para a prática.

 

O Observador Exercício e Alimentação Saudável 2018 tem por base uma amostra representativa de 600 indivíduos residentes em Portugal Continental, de ambos os géneros e com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos. Estes foram entrevistados telefonicamente, com informação recolhida por intermédio de um questionário estruturado de perguntas fechadas. O trabalho de campo foi realizado pela empresa de estudos de mercado Nielsen e um erro máximo de +4,0 para um intervalo de confiança de 95%.

 

 

Artigo anterior

Apetece-lhe? Pense duas vezes antes de beber um refrigerante

Próximo artigo

Síndrome pré-menstrual: causas, sintomas e tratamentos