Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Portugueses consideram janeiro o mês mais complicado do ponto de vista financeiro

Portugueses consideram janeiro o mês mais complicado do ponto de vista financeiro

Em termos de poupança, os portugueses amealharam menos 70% em 2017 do que no período homólogo de 2016, segundo o European Consumer Payment Report. Diz ainda a análise que as mulheres sentem mais dificuldades financeiras durante o mês de janeiro do que os homens.

Pinterest Google+

De acordo com o ‘European Consumer Payment Report’, da Intrum Justitia, mais de um quarto dos portugueses afirma que janeiro é o mês mais complicado do ponto de vista financeiro. A nível europeu 30% afirma o mesmo, um dado relativamente mais elevado do que em Portugal.

 

Após as festas de Natal e Ano Novo surgem as primeiras faturas das despesas extra realizadas nesses dias: em presentes, comida, roupas e outras. Um gasto que, muitas vezes, compromete as economias dos portugueses que têm compromissos financeiros para cumprir.

 

VEJA TAMBÉM: ESTE É O DIA MAIS DEPRIMENTE DO ANO

 

Em Portugal, 29% das mulheres sentem mais dificuldades financeiras durante o mês de janeiro do que os homens (22%), algo que se confirma também na Europa em que 33% das mulheres sente mais dificuldades financeiras do que os homens (27%).

 

Outro dado interessante, de acordo com o estudo da Intrum Justitia, e que reforça as dificuldades crescentes dos portugueses, é o facto de os mesmos estarem a poupar cada vez menos. Em 2016, dados demonstram que a população portuguesa poupava mensalmente 281 euros, sendo que em 2017 houve uma redução de mais de 70%, passando a poupar apenas 80 euros.

 

VEJA TAMBÉM: FINANÇAS FAMILIARES: COMO RESOLVER PROBLEMAS DE DINHEIRO NO CASAL

 

Há evidências claras de que o crédito ao consumo está numa curva crescente. A subida deve-se  essencialmente ao aumento substancial na banalização de compras a crédito, em que mais de um quarto dos portugueses (26%) considera que comprar bens a crédito, como TV ou computador, não constitui um problema, verificando-se um aumento significativo em relação ao ano passado, em que este número rondava os 19%.

 

Para este estudo, foram recolhidas respostas de 24 401 entrevistados em 24 países europeus, com idades entre os 18 e os 65 anos. O inquérito colocou questões relativas à economia doméstica e foi realizado em setembro de 2017.

Artigo anterior

Joalharia portuguesa estreia-se no Japão

Próximo artigo

O que faz a diferença para ter sucesso?