Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Portugal em 2018: o que ditam os astros

Portugal em 2018: o que ditam os astros

Saiba como a posição dos astros vai influenciar genericamente a vida do país e dos portugueses nos doze meses do próximo ano. Uma previsão de Isabel Guimarães, presidente da Associação Portuguesa de Astrologia.

Pinterest Google+

Os ingressos direcionam a previsão tendencial no decorrer da entrada do Sol em cada signo até à entrada do sol no signo seguinte, os chamados 30 graus percorridos pelo Sol em cada um dos 12 signos ao longo da faixa zodiacal. Esta técnica de orientação ajuda a uniformizar as tendências para o mês numa perspetiva geral para os nativos dos 12 signos do zodíaco, estando em foco a área onde se posiciona o signo em análise no seu mapa natal.

 

O ingresso do Sol em Capricórnio a 21 de dezembro de 2017 às 16:27 em Portugal é marcado pelo posicionamento combusto de Saturno no signo de Capricórnio, a chamada debilidade acidental, por se encontrar no mesmo grau que o Sol. As qualidades do planeta a seguir, neste caso de Saturno posicionado no seu regente natural após 30 anos, encontram-se “queimadas”, o que se traduz numa manifestação difícil da vitalidade e da energia dificultando a expressão da vontade e a ação, principalmente nos relacionamentos e na justiça. Trata-se de um mês onde a cautela e a paciência são necessárias para a resolução rápida de problemas que possam surgir nesta área de vida.

 

O ascendente encontra-se em Gémeos, com o regente retrógrado em Sagitário, direcionando para um maior cuidado na assinatura de contratos, compra de equipamentos e, principalmente, na forma como pretende dar seguimento a um projeto de trabalho. A área de vida VI – o trabalho, a saúde, os empregados e os animais de porte pequeno – requer um maior foco e reanálise.

 

A Lua em Aquário na casa IX encaminha para uma nutrição da vida através dos grupos que se regem pelas mesmas filosofias. Podemos ter melhores relações internacionais embora possamos sentir alguma tensão no crescimento da criatividade na procura de novas soluções.

 

Marte e Júpiter no signo de Escorpião indicam uma ação impulsiva e destemida que pode levar a ações precipitadas. A 5 de janeiro estes dois planetas fazem uma conjunção exata no grau 17, indicando um período com muita dificuldade em aceitar as hierarquias e em respeitar a autoridade, criando por vezes ações explosivas.

 

Trata-se de um bom ingresso para dar maior valor aos seus conhecimentos superiores, às relações que estabelece, à valorização das pessoas com quem trabalha e para estabelecer uma comunicação com o mundo exterior de unificação e pacificação. É, indubitavelmente, um mês que convida a muita reflexão e reanalise com vista a uma preparação para um novo ano que se avizinha. Estas tendências poderão fazer-se sentir até ao Ingresso do Sol em Aquário a 20 de janeiro de 2018 às 03:08 de Portugal.

 

O ingresso do Sol a 20 de janeiro às 03:08 em Portugal indica uma vontade de comunicar e valorizar as relações. Estamos perante um ingresso com um toque de paixão e aventura, trazendo uma tónica mais ousada para novos relacionamentos pautados pela liberdade tão particular do signo de Aquário. Alguns projetos, principalmente aquelem que que envolvam dedicação, organização e expansão de redes de contatos, encontram-se favorecidos devido à ausência de planetas em movimento retrógrado.

 

Destaca-se o posicionamento solar em Aquário em quadratura com o próprio regente (Úrano), indicando muita tensão provocadas por contrariedades sendo importante manter o foco interno para saber o que realmente pretende para não se deixar derrubar pelos eventos externos. O regente Úrano, ao se encontrar na área de vida da criatividade e da autoexpressão, pode trazer uma maior liberdade de ação embora a falta de paciência poderá não permitir que dê o tempo necessário para a concretização dos seus projetos.

 

O ascendente em Escorpião, com o coregente Marte neste posicionamento, confere um mês marcado por uma grande necessidade de impor a sua verdade. Poderá ainda e deparar-se com cortes de situações que há muito se encontram desgastadas. Embora alguns destes cortes possam ser feitos de forma mais suave, com este posicionamento torna-se difícil não fazer uso de uma certa agressividade. Apesar da intensidade emocional sentida, devido a vários fatores quer na vida pessoal quer na vida externa, existe uma extrema coragem para enfrentar eventuais desafios.

 

Os recursos internos podem encontrar maior dificuldade dado o posicionamento de Mercúrio em conjunção a Plutão que poderá trazer problemas com a comunicação, estruturas de poder e a forma como os investimentos estão a ser geridos. No aspeto favorável, podemos descobrir segredos e usar o dom da palavra de forma marcante e regeneradora. Tudo vai depender da forma como usa a força de Putão.

 

A sensibilidade lunar, com o posicionamento no signo de Peixes em conjunção a Neptuno, pode trazer alguma ilusão e fantasia, no entanto o sextil a Saturno permite uma estrutura benéfica na forma como o sonho comanda a sua vida.  Estas influências estarão em destaque até ao Ingresso do Sol em Peixes a 18 de fevereiro às 17:17 em Portugal.

Artigo anterior

Vem aí o Natal. E agora?

Próximo artigo

Salvador Sobral lidera pesquisas no Google em 2017