Home»FOTOS»Porto: restaurante japonês proporciona refeições a pessoas com alergias alimentares

Porto: restaurante japonês proporciona refeições a pessoas com alergias alimentares

Sensibilizado para o facto de a maioria das pessoas com alergias alimentares evitar fazer refeições fora de casa, o Ikeda Japanese Cuisine pretende posicionar-se como um restaurante “Food Allergy-Friendly” e facilitar uma maior integração social destas pessoas. A equipa acredita que o espaço se tornará numa referência nacional nesta área.

Pinterest Google+

O restaurante Ikeda, no Porto, estabeleceu uma parceria pioneira com a Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, que lhe permite, através de formação específica e profissional na área da alergia alimentar na restauração, hotelaria e turismo, ter toda a equipa preparada para receber aqueles que sofrem de alergias alimentares. O restaurante pretende apostar ativamente numa maior integração social destas pessoas, combatendo o facto de a maioria evitar fazer refeições fora de casa por receio a uma exposição acidental.

 

«Esta maior consciencialização perante este fenómeno surgiu-nos no seguimento de uma critica que registámos por parte de uma cliente que sofria de alergias alimentares e que nos alertou para um conjunto de cuidados e procedimentos que geralmente passam ao lado dos estabelecimentos de restauração», explica Tiago Branco, gerente do espaço.

 

VEJA TAMBÉM: MAIS DE 240 MILHÕES DE PESSOAS NO MUNDO SOFREM DE ALERGIAS ALIMENTARES

 

Perante este objetivo, o restaurante estabeleceu a parceria com a FCNAUP, no sentido de se tornar num espaço “Food Allergy-Friendly”, através da formação da sua equipa e da implementação de ferramentas, de procedimentos de segurança e de boas práticas que, para além de proporcionar um acesso informado à potencial presença de alergénios nas cartas do Ikeda, visam a prevenção da contaminação cruzada e da exposição acidental a este tipo de substâncias.

 

No âmbito desta parceria, toda a equipa do restaurante participou na primeira edição do Curso de Alergia Alimentar na Restauração, Hotelaria e Turismo, ministrado por docentes da FCNAUP e da FMUP dirigido exclusivamente a profissionais destes setores.

 

VEJA TAMBÉM: ESTAS SÃO AS ALERGIAS ALIMENTARES MAIS COMUNS

 

Entre o conjunto de competências adquiridas pela equipa estão a identificação do conceito de alergia alimentar e dos diferentes alergénios; a implementação de procedimentos de segurança e boas práticas para a prevenção da contaminação cruzada e da exposição acidental na preparação das refeições; o reconhecimento das manifestações clínicas da alergia alimentar e dos procedimentos a adotar em situação de ingestão acidental e emergência; e ainda o  desenvolvimento de estratégias para uma comunicação e atendimento adequados aos clientes com este tipo de patologia.

 

Adicionalmente, o restaurante disponibiliza na sua carta a indicação de todos os potenciais alergénios envolvidos na preparação de cada prato, de forma a permitir aos clientes com alergia alimentar uma escolha informada e segura das refeições.

 

VEJA TAMBÉM: METADE DOS ADULTOS QUE JULGAM TER ALERGIA ALIMENTAR SOFREM REALMENTE DESTA CONDIÇÃO

 

Com a implementação destas medidas, o Ikeda encontra-se assim preparado para receber todos os clientes, nacionais e estrangeiros, com alergia alimentar, proporcionando-lhes, de forma confortável e segura, experiências tipicamente japonesas. «Acreditamos que o Ikeda será uma referência nacional como restaurante “Food Allergy-Friendly”, onde os doentes com alergia alimentar vão poder encontrar um espaço seguro e de confiança para as suas escolhas alimentares», refere Renata Barros, professora auxiliar da FCNAUP e coordenadora do curso de Alergia Alimentar na Restauração, Hotelaria e Turismo.

 

«A alergia alimentar é atualmente um problema mundial de saúde pública, com grande impacto na qualidade de vida dos doentes. Apesar das disposições legais previstas, sabemos que os doentes com alergia alimentar têm ainda imensa dificuldade em fazer refeições fora de casa, quer pela dificuldade em obter escolhas alimentares devidamente informadas, quer pelo receio de uma exposição acidental com ocorrência de reações alérgicas graves ou potencialmente fatais, como a anafilaxia», salienta.

 

 

Artigo anterior

Conhece o poder de um beijo?

Próximo artigo

Remédios caseiros para se livrar da caspa