Home»FOTOS»Porque a proteína é tão importante para nós? Conheça as suas funções no organismo

Porque a proteína é tão importante para nós? Conheça as suas funções no organismo

A proteína é crucial para uma boa saúde e tem um papel multifacetado no nosso organismo. O seu próprio nome deriva da palavra grega proteos, que em português significa primário. Apresentamos-lhe nove das suas funções mais importantes e também as principais fontes de onde obter este macronutriente essencial.

Pinterest Google+
PUB

Crescimento e manutenção

O corpo precisa de proteína para o crescimento e manutenção dos tecidos. Segundo a plataforma de nutricionistas ‘Authority Nutrition’, o corpo decompõe a mesma quantidade de proteína utilizada para construir e reparar tecidos. Contudo, pode decompor mais proteína do que criar, o que faz aumentar as necessidades do corpo. Geralmente, isso acontece quando se encontra doente, quando está grávida ou durante a amamentação. As pessoas que estão em processo de recuperação de uma lesão ou de uma cirurgia, os idosos e os atletas exigem maiores quantidades de proteína.

 

Provoca reações bioquímicas

As enzimas são proteínas que auxiliam milhares de reações bioquímicas que ocorrem dentro e fora das células. A sua forma permite que se liguem a outras moléculas dentro da célula, chamadas substratos, que catalisam reações essenciais para o seu metabolismo. Contudo, as enzimas podem também funcionar fora das células, como é o caso das enzimas digestivas como lactose e sacarose, enzimas estas que são responsáveis pela digestão do açúcar. Ainda assim, existem outro tipo de enzimas que requerem outras moléculas, como vitaminas ou minerais, para que uma reação ocorra. As funções corporais que dependem de enzimas são a digestão; a produção de energia; a coagulação sanguínea; a contração muscular. A falta dessas enzimas no organismo ou uma função desadequada podem originar inúmeras doenças, explica a plataforma de nutricionistas.

 

As proteínas atuam como mensageiros

Algumas proteínas atuam como mensageiros químicos que auxiliam a comunicação entre células, tecidos e órgãos. São feitas e segregados por tecidos ou glândulas endócrinas e depois transportadas no sangue para os tecidos ou órgãos-alvo, onde se ligam a recetores na superfície da célula.

 

VEJA TAMBÉM: PARA COMER MELHOR: DGS LANÇA MANUAL SOBRE ALIMENTOS RICOS EM PROTEÍNA

 

Fornece estrutura

O site explica também que algumas proteínas são fibrosas e, por esse motivo, fornecem rigidez às células e aos tecidos. Essas proteínas incluem queratina (encontrada na pele, nos cabelos e nas unhas), colagénio (constitui a proteína mais abundante no corpo e é a proteína estrutural dos ossos, tendões, ligamentos e pele) e elastina (várias vezes mais flexível que o colágeno, a sua elasticidade permite que muitos tecidos do corpo voltem à sua forma original após o alongamento ou contração, como o útero, pulmões e artérias).

 

Mantém o pH adequado

A proteína desempenha um papel vital na regulação da concentração de ácidos e bases no sangue, bem como outros fluidos corporais. O equilíbrio entre ácidos e bases é medido usando a escala de pH. Varia entre 0 e 14, sendo 0 o mais ácido, 7 o neutro e 14 o mais alcalino. Ter um pH constante é essencial, pois mesmo uma leve alteração no pH pode ser prejudicial ou potencialmente letal. Uma das formas como o corpo regula o pH é com proteínas. A hemoglobina, proteína que forma os glóbulos vermelhos, é um perfeito exemplo.

 

Equilibra os fluidos

As proteínas regulam os processos corporais para manter o equilíbrio dos fluidos. A albumina e a globulina são as proteínas que ajudam a manter o equilíbrio de fluidos do corpo ao atrair e reter água. Se não ingerir proteína suficiente, os seus níveis de albumina e globulina irão provavelmente diminuir o que levará a que essas não consigam manter o sangue nos vasos sanguíneos, forçando o fluido a ir para os espaços entre as células. Com o fluido a acumular-se nesses locais, dá-se o inchaço ou edema, explica a plataforma de nutricionistas.

 

VEJA TAMBÉM: AFINAL, QUE QUANTIDADE DE PROTEÍNA DEVEMOS COMER?

 

Reforça a saúde imunitária

As proteínas ajudam a formar anticorpos que servem para combater infeções e estes últimos ajudam a proteger o corpo de invasores nocivos, como as bactérias e os vírus que, por sua vez, causam doenças.

 

Transporta e armazena nutrientes

As proteínas transportadoras levam substâncias através da corrente sanguínea – nas células, fora das células ou dentro das células-, na qual se incluem nutrientes como vitaminas ou minerais, açúcar no sangue, colesterol e oxigénio. Por exemplo, a hemoglobina é uma proteína que transporta oxigénio dos pulmões para os tecidos do corpo. Os transportadores de glicose (GLUT) levam a glicose para as células, enquanto as lipoproteínas transportam o colesterol e outras gorduras no sangue. Ou seja, um transportador de proteína que move a glicose não movimenta o colesterol. As proteínas também têm um papel fundamental de armazenamento, como a caseína, a principal proteína do leite que ajuda os bebés a crescer.

 

Fonte de energia

Além disso, como já tem sido referido em vários artigos da MOOD, a proteína é uma valiosa fonte de energia em situações de jejum, exercício exaustivo ou ingestão inadequada de calorias.  Veja agora, na galeria no início do artigo, algumas das principais fontes de proteína.

 

Se seguir uma dieta equilibrada e com muita carne, peixe, alimentos lácteos ou proteínas vegetais, as proteínas não deverão representar qualquer problema de saúde. Para saber quais os alimentos mais ricos neste macronutriente, veja a galeria no início do artigo.

Artigo anterior

Projeto incentiva escolas a realizar aulas no meio da natureza

Próximo artigo

Reiki: descubra os benefícios desta terapia integrativa