Home»S-Glamour»Pernas inchadas, vermelhidão e calor: perceba agora para evitar complicações no inverno

Pernas inchadas, vermelhidão e calor: perceba agora para evitar complicações no inverno

Parar a evolução desta doença e tentar minimizar as suas complicações deve ser estimulado nos doentes o mais precocemente possível pois muitas destas alterações, uma vez instaladas, dificilmente serão reversíveis.

Pinterest Google+
PUB

Os sintomas de perna inchada (edema dos membros inferiores) associados a vermelhidão (rubor) e calor são muito frequentes durante o tempo quente de verão. Não sendo característicos de uma doença específica são também os principais sintomas relacionados com a insuficiência venosa crónica dos membros inferiores, vulgarmente chamadas de varizes. Com predomínio no sexo feminino a partir da terceira/quarta década de vida afetam ao longo da vida 40% das mulheres portuguesas.

 

Parar a evolução desta doença e tentar minimizar as suas complicações deve ser estimulado nos doentes o mais precocemente possível pois muitas destas alterações, uma vez instaladas, dificilmente serão reversíveis.

 

VEJA TAMBÉM: DOENÇA VENOSA CRÓNICA: FAÇA UM QUIZZ AO ESTADO DAS SUAS PERNAS

 

Sabemos que nos últimos meses, devido, em parte, ao receio gerado pela pandemia, muitas pessoas deixaram de ir às suas consultas, de fazer exames e até mesmo tratamentos – a área de cirurgia vascular não foi exceção. Com a possibilidade de um novo pico de pandemia no inverno, que consequentemente trará maiores níveis de ansiedade e receio, a população deve preparar agora a última estação do ano que será exigente para todos. Os números de incidência da COVID-19 estão mais baixos e há confiança nos procedimentos de segurança das unidades de saúde – por isso, não se deve adiar o seguimento clínico em caso de insuficiência venosa para evitar possíveis complicações.

 

Que complicações podem acontecer?

Em casos mais graves de insuficiência venosa, a quantidade de sangue que se acumula nas extremidades pode ser muito significativa e levar a incapacidade física marcada, intolerância a estar de pé e ao calor, criando um ciclo vicioso que é difícil quebrar. Mais tarde, as alterações da pele e dos tecidos das extremidades provocadas por esta estase e extravasão de fluídos podem culminar com o aparecimento de úlceras.

 

Se numa primeira fase o edema é acompanhado pela vermelhidão, com o passar do tempo vai evoluir para uma coloração acastanhada progressivamente mais escura, resultado da passagem de glóbulos vermelhos para o exterior das veias. A consequente destruição destas células leva a uma reação inflamatória crónica dos tecidos destas zonas distais da perna. A coloração acastanhada deve-se fundamentalmente ao depósito de ferro e sua oxidação nos tecidos, levando  a um sofrimento destes com deficiente oxigenação e nutrição. Posteriormente, este sofrimento crónico oxidativo e inflamatório gera fragilidade tecidular e dificuldade de cicatrização de qualquer eventual lesão que possa surgir.

 

VEJA TAMBÉM: VIDEIRA, A SOLUÇÃO PARA AS PERNAS PESADAS

 

Outra complicação possível das varizes é a tromboflebite ou varicoflebite. Este quadro clínico caracterizado por inflamação exuberante da veia associada a trombose do seu lúmen (interior da veia) e é quase exclusivo das varizes e está intimamente ligado à duração da insuficiência venosa. São episódios de aparecimento súbito normalmente sem quaisquer sinais prévios e podem complicar de migração do trombo para a rede arterial pulmonar causando a temível embolia pulmonar. A embolia pulmonar ou Trombo Embolia Pulmonar (TEP), embora maioritariamente benigna, pode ser fatal no primeiro episódio ou deixar sequelas restritivas para a vida.

 

Mas porque surgem as varizes?

A variz representa a perda da funcionalidade valvular das veias. Trocando por miúdos: a nossa circulação sanguínea é um circuito fechado em que o coração bombeia sangue oxigenado e cheio de nutrientes (vermelho vivo) pelo sistema arterial em direção aos tecidos para os oxigenar e alimentar; Esta parte da grande circulação é impulsionada pela força da bomba cardíaca pelo que o trabalho da artéria é de quase mera condução de fluxo sanguíneo. As veias recolhem esse sangue, já pobre em oxigénio e cheio de resíduos do metabolismo celular (vermelho escuro), passando pelo fígado para limpeza e pelo pulmão para oxigenação, chega ao lado esquerdo do coração pronto para um novo ciclo.

 

Neste retorno, em que as veias são as vias de comunicação, a natureza dotou estes vasos de um sistema valvular (principalmente na metade inferior do corpo) que permite ao sangue lutar contra a gravidade e retornar ao coração. Qualquer anomalia neste aparelho valvular leva a recirculação do sangue nas extremidades inferiores com o consequente aumento de volume e peso (mais sangue), aumento de calor (onde há sangue há calor) e alterações da coloração da pele (vermelhidão). Contribuem para a eficácia deste retorno – do sangue ao coração, a almofada plantar (parte dianteira do pé) e a bomba muscular gemelar (impulso gerado pelos músculos da barriga da perna sempre que se contraem e comprimem as veias, funcionando assim, como uma bomba propulsora) desencadeada pela marcha.

 

Continua na próxima página…

Artigo anterior

Amor pós-pandemia

Próximo artigo

Feira do Livro de Lisboa arranca com a maior oferta editorial de sempre e uso obrigatório de máscara