Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Dentição saudável: a relação entre periodontite e hipertensão arterial

Dentição saudável: a relação entre periodontite e hipertensão arterial

A doença periodontal e as bactérias a ela associadas levam a inflamações generalizadas no corpo, que afetam o bom funcionamento dos vasos sanguíneos.

Pinterest Google+
PUB

A periodontite, comumente conhecida como piorreia, é uma doença de cariz infecioso que afeta os tecidos que suportam e protegem os dentes de agressões bacterianas. A sua evolução pode conduzir à perda de dentes e, em casos mais graves, provocar alterações na saúde geral do paciente. É o caso, por exemplo, da hipertensão arterial.

 

De acordo com um estudo publicado no Cardiovascular Research, jornal da Sociedade Europeia de Cardiologia, as pessoas com doença periodontal têm maior probabilidade de desenvolver hipertensão.

 

Uma das hipóteses para esta ligação prende-se com o facto de que a doença periodontal e as bactérias a ela associadas levam a inflamações generalizadas no corpo, que afetam o bom funcionamento dos vasos sanguíneos. Este fator, juntamente com outros como o tabagismo, a obesidade e a própria suscetibilidade genética podem aumentar o risco de hipertensão.

 

Desta forma, uma condição oral cuidada é imperativa para todo o bem-estar do nosso corpo. O tabagismo, a má higiene oral, a diabetes, as alterações hormonais, a predisposição genética, a secura da boca (xerostomia) e uma dieta desequilibrada são os principais riscos que podem estar na origem da periodontite.

 

Idealmente esta doença deverá ser prevenida, mas já existem tratamentos que visam travar a progressão da mesma, mantendo-a controlada de forma a minimizar a infeção e a restabelecer a função dos tecidos de suporte e proteção dos dentes.

 

A partir desta fase, cabeção paciente cumprir as instruções de higiene que lhe foram explicadas e visitar regularmente o dentista para fazer as suas consultas de manutenção.

Artigo anterior

Adoçantes: saiba as diferenças, riscos e benefícios

Próximo artigo

Procura emprego depois dos 50 anos? Veja como fazer da experiência um ativo valioso