Home»GLAMOUR»BELEZA»Perfume da ‘Victoria’s Secret’ revela-se um bom repelente de mosquitos

Perfume da ‘Victoria’s Secret’ revela-se um bom repelente de mosquitos

Pode nunca ter cheirado ou estado perto de uma embalagem sequer, mas certamente conhece a boa fama que os produtos da Victoria’s Secret, em geral, têm. Ao que parece, os seus perfumes não são apenas bons pelo seu cheiro, mas por algo mais.

Pinterest Google+
PUB

‘Victoria’s Secret Bombshell‘, um perfume da ‘Victoria’s Secret’, foi considerado um poderoso repelente de mosquitos, por uma equipa de investigação da Universidade do Novo México, segundo um estudo publicado no ‘Journal of Insect Science.

 

Para o estudo, foram analisados produtos de várias marcas com fins meramente olfativos ou estéticos que foram comparados, posteriormente, com vários repelentes. Para testar a eficácia, tanto dos repelentes como dos perfumes, os investigadores colocaram um mosquito num tubo em forma de ‘Y’. De seguida, um dos cientistas tapou as extremidades bifurcadas do tubo com ambas as mãos – uma pulverizada com repelente ou perfume e a outra ao natural. Nos casos em que o mosquito evitou a mão pulverizada, os cientistas determinaram que o produto químico em questão é eficaz em repelir mosquitos.

 

Veja a galeria: Saiba como se maquilhar no verão 

 

Todos os repelentes que contenham na sua composição DEET, uma substância química habitualmente utilizada em repelentes de insetos, são eficazes. Para surpresa dos investigadores, o óleo ‘Skin So Soft’, da marca ‘Avon’, e o perfume ‘Victoria’s Secret Bombshell‘, da marca ‘Victoria’s Secret’, revelaram-se eficientes no combate aos mosquitos. No entanto, este último foi ainda mais do que o da Avon, cuja eficácia durou cerca de duas horas.

 

Em Portugal, o perfume da ‘Victoria’s Secret’ encontra-se à venda por 59,77€, um preço muito elevado em comparação ao de um repelente comum comprado na farmácia. Por outro lado, o perfume cheira bem melhor.

Artigo anterior

Mulheres recusam ter relações sexuais com a luz acesa por vergonha

Próximo artigo

O poder do (auto) conhecimento