Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Perceção é tudo?

Perceção é tudo?

Pode já ter ouvido várias expressões sobre este tema, umas mais possibilitadoras do que outras. Desde "cada cabeça sua sentença" até a "o mapa não é o território". Qual está certa?

Pinterest Google+
PUB

Parece ser seguro observar que cada pessoa tem a sua imagem interna, a sua perceção única acerca do mundo. Sendo certo que as perceções se podem aproximar e que podem existir pontos em comum, é normal que surjam diferenças quando se começa a especificar o entendimento que alguém tem sobre algo.

 

Quer se fale de um briefing, de um plano, de um objetivo, de uma análise de resultados, cada pessoa terá a sua perceção sobre o que viu, ouviu, experienciou. Sendo também certo que, depois de se clarificar, existem bastantes momentos de: “Então mas isso é o que estava a dizer!”!

 

Veja também: 10 mandamentos diários para ter uma vida feliz

 

As diferenças nas perceções podem derivar de muitos fatores. No essencial, tem que ver com a forma como o processamento neuronal, inconsciente, filtra e codifica a informação que chega à pessoa através dos seus sentidos. Nesse processo, entram em ação uma série de filtros como, por exemplo, o que a pessoa valoriza, a educação que teve, a cultura em que cresceu, as experiências passadas ou a intenção que tem.

 

Acredito, pois, que a forma como se vê, como se percepciona é tão ou mais importante do que o que é. Pois é a forma como se perceciona que cria a imagem interna que fazemos do que é. O que impacta o nosso estado interno em relação ao que é; e, limita ou possibilita o leque de comportamentos disponíveis para lidar… bem, com o que é.

 

Veja também: Os sete hábitos das pessoas verdadeiramente felizes

 

Se queremos passar uma mensagem a alguém, o mais interessante e eficaz será mesmo, primeiro, perceber como a outra pessoa está a… perceber! E depois fazer as ligações com o que percebemos, veiculando a mensagem da forma que faz sentido para a outra pessoa. Como? De forma que “encaixe” na perceção que a pessoa tem. Fazendo ligações com o que ela conhece, com o que lhe é familiar.

 

Se contasse o tempo que perdi no passado, e também o das pessoas que ajudo, a tentarmos que o outro nos perceba sem que nós o percebamos… Também já lhe aconteceu? Quer aproveitar melhor o seu tempo? Comunicar de forma mais eficiente?

 

Lembre-se. Não se trata do que é, mas sim de como se vê. Aprenda sobre isso. Votos de uma semana com perceções possibilitadoras!

Artigo anterior

Destinos para uma roadtrip alemã

Próximo artigo

Da criação à circulação: a viagem da nova nota de 50 euros