Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Pastéis de nata vegan chegam ao Chiado

Pastéis de nata vegan chegam ao Chiado

Quem passar pela Rua da Misericórdia já poderá desfrutar deste delicioso doce segundo as normas da alimentação vegana.

Pinterest Google+

A VeganNata Portugal, a primeira marca portuguesa de pastéis de nata vegan, certificada com o selo V-Label, acaba de abrir no espaço da antiga e histórica loja de cafés A Carioca, no Chiado, passando, assim, a marcar presença no “coração de Lisboa”.

 

«Queremos estar mais próximo daqueles que gostam do nosso pastel de nata vegan, mas que, acima de tudo querem aliar a qualidade, ao sabor de excelência e a uma alimentação saudável. Assim, optámos por unir a inovação do nosso pastel de nata, à tradição d’ A Carioca, que, desde 1936, vende cafés, chás, entre outros produtos, com qualidade e sabor inquestionáveis, respeitando assim toda a história deste novo espaço», afirma Luís Simões, sócio fundador da VeganNata Portugal.

 

E acrescenta: «Vamos manter os princípios e a linha de atuação da marca: veganismo, sustentabilidade e inovação, com a tradição da casa de cafés “A Carioca”. Além do nosso pastel de nata vegan, mantemos os históricos lotes de café em grão e moído, há décadas, vendidos nesta loja. Tal como, a bica, o galão, o cappuccino vegan, entre outros produtos.»

 

A loja VeganNata/A Carioca situa-se na Rua da Misericórdia, n.º 9, em Lisboa, e encontra-se aberta todos os dias, das 9h00 às 19h00. Os produtos da VeganNata Portugal – não só os pastéis, mas também os cafés dos lotes históricos d’ A Carioca – estão disponíveis para entrega ao domicílio, na grande Lisboa, através da Glovo, da Uber Eats e de entregas próprias.

 

A VeganNata Portugal abriu a sua primeira loja, em Campo de Ourique, no início de 2020, e, desde então, tem vindo a apostar numa estratégia de parceria com marcas portuguesas de excelência, na área da alimentação saudável, do veganismo e da sustentabilidade ambiental, sendo uma loja 100% Plastic free, onde até os copos de café são recicláveis e comestíveis.

 

Artigo anterior

Campanha alerta para a incapacidade que a enxaqueca causa a um milhão e meio de portugueses

Próximo artigo

Festival Mental discute saúde mental dos portugueses em várias plataformas