Home»FOTOS»Passamos 1700 horas por ano ao computador

Passamos 1700 horas por ano ao computador

… e depois do trabalho passamos para os smartphones, televisão, tablets. etc. A Academia Americana de Oftalmologia alerta para os riscos aumentados que a sociedade viciada em écrans tem, com a saúde dos olhos a pagar a fatura mais tarde.

Pinterest Google+

Um estudo recente descobriu que o trabalhador de escritório passa cerca de 1.700 horas por ano a olhar para um ecrã de computador. E esta contagem não inclui o tempo que passamos também a olhar para os smartphones, televisões, tablets e restantes dispositivos digitais. Todo este tempo de exposição está a levar a um aumento nas queixas de cansaço ocular, olho seco, dores de cabeça e insónia, revela a Academia Americana de Oftalmologia.

 

Isto porque o computador provoca mais tensão do que ler material impresso, principalmente porque as pessoas tendem a piscar menos os olhos enquanto usam computadores. Focar os olhos nos écrans dos computadores ou noutros monitores digitais reduz a taxa de intermitência de uma pessoa de um terço a metade, o que tende a ressecar os olhos. Também tendemos a ver dispositivos digitais em distâncias ou ângulos menos ideais.

 

VEJA TAMBÉM: PARA DORMIR BEM É PRECISO DESLIGAR O SMARTPHONE 30 MINUTOS ANTES

 

Segundo a associação, não é o facto de se usar óculos ao computador que reduz a tensão. E também não são os filtros azuis que são mais eficazes na redução dos sintomas de fadiga ocular digital do que um filtro neutro. Em vez disso, recomenda a AAO o importante é alterar o ambiente de trabalho.

 

«A fadiga ocular pode ser frustrante. Mas geralmente não é grave e desaparece quando se descansa os olhos ou toma outras medidas para reduzir o desconforto ocular», comenta Dianna L. Seldomridge, porta-voz da Academia Americana de Oftalmologia. Mas já se tiver olhos vermelhos secos consistentemente ou dor ocular deve visitar um oftalmologista. De qualquer forma, siga as dicas da AAO na galeria acima.

Artigo anterior

Mais sexo não garante uma relação mais feliz

Próximo artigo

Não é só obesidade e diabetes… veja 10 riscos do açúcar para a saúde